Kurt Cobain e Dave Grohl
Foto via Wikimedia Commons
 

Dave Grohl está sempre lembrando de Kurt Cobain, seu saudoso ex-colega do Nirvana, mas confessa que foi difícil escrever sobre o suicídio do músico em seu novo livro de memórias.

O líder do Foo Fighters lançou no início deste mês a obra Storyteller: Tales of Life and Music, onde abordou diferentes fases de sua vida, e é claro que ele não deixaria de citar sua relação com Cobain e a difícil perda do amigo.

Em entrevista à Amanpour And Company (via Blabbermouth), Grohl respondeu o porquê de ter escrito por último o capítulo sobre a morte de Kurt. Ele explicou:

Porque eu estava com medo de escrever. Uma coisa é escrever sobre levar pontos quando você tem 12 anos ou escrever sobre levar suas filhas ao baile de pai e filha, outra coisa é escrever sobre algo que você mal falou com pessoas próximas a você. Quer dizer, eu revelei algumas coisas nessa história que nunca contei aos meus amigos mais próximos. Fiquei com medo de escrevê-la.

Em primeiro lugar, eu sabia o que as pessoas queriam que eu escrevesse. Acho que as pessoas têm muitas perguntas sem resposta – assim como eu. Portanto, decidi escrever em um sentido emocional muito mais amplo – o processo de perda ou tristeza e luto, e como isso é determinado e como difere de pessoa para pessoa. Sim, foi difícil de escrever.

Dave Grohl, Kurt Cobain e Foo Fighters

O músico aproveitou o assunto para lembrar como um encontro casual na Irlanda lhe motivou a retomar sua carreira musical e formar o Foo Fighters nos meses após a morte de Kurt Cobain. Ele contou:

Depois que Kurt morreu e o Nirvana acabou, nossos mundos ficaram de cabeça para baixo. Não sei se alguém sabia como continuar ou o que fazer a seguir. Eu pessoalmente não tinha nenhum interesse por música. Eu guardei meus instrumentos. Era difícil para mim ouvir rádio, que era muito diferente pra mim.

E depois de alguns meses, decidi que faria esse tipo de viagem de busca da alma no meio do nada. Eu só queria ficar longe de tudo e de todos. Então fui a um dos meus lugares favoritos – o Ring Of Kerry na Irlanda, onde já tinha estado antes. E é totalmente remoto; não há nada lá. São apenas estradinhas e belas paisagens.

E eu estava dirigindo por uma estradinhas e vi [uma pessoa pedindo] carona à distância e pensei: ‘Bem, talvez eu vá buscá-lo.’ E conforme eu ficava cada vez mais perto, eu notei que ele usava uma camisa do Kurt Cobain. Então, mesmo no meio do nada, eu tinha Kurt meio que olhando para mim. E foi então que percebi: ‘Não posso fugir disso. Eu tenho que ir pra casa. Eu tenho que colocar os instrumentos de volta no meu colo e tenho que continuar tocando música porque salvou minha vida inteira, e eu acho que poderia fazer isso de novo.’ E eu fui para casa e comecei o Foo Fighters.

Ainda bem que Grohl cruzou em seu caminho com alguém usando a blusa de Kurt Cobain e decidiu dar início a sua aclamada banda que já completou 27 anos de trajetória!

The Storyteller: Tales of Life and Music estreou no topo da lista dos livros mais vendidos do New York Times e Dave Grohl foi ao Instagram agradecer pelo retorno do público e o sucesso da obra. Leia aqui.