Blur
Foto: Divulgação
 

Ah, o britpop…

Esse movimento musical ganhou grande espaço nos anos 90 e deu um novo ar para a visibilidade da música britânica no mundo. Foi responsável por apresentar ao mundo nomes como Oasis, Pulp, The Verve e muito mais. Em termos de visibilidade internacional, no entanto, uma específica banda de grande potencial demorou um pouco mais para se consagrar: o Blur.

Formado em 1988, o grupo levou quase uma década (e cinco álbuns) para fazer com que um single atravessasse o Oceano Atlântico e chacoalhasse o mercado estadunidense. Isso porque, em 1997, a banda lançou seu maior sucesso comercial, a faixa “Song 2”. Parte de um disco homônimo lançado no mesmo ano, a canção impactou a cena com sua pegada mais pesada, que se distanciava do padrão estético do britpop.

LEIA TAMBÉM: A luxúria da indústria fonográfica traduzida em “Hotel California”, do Eagles

Abaixo, separamos algumas curiosidades sobre esse grande sucesso, indo desde instrumentos duplicados até comerciais de televisão. Confira:

 

A versão original

Acredite se quiser, mas “Song 2” nem sempre foi essa “piração” que conhecemos e amamos. O vocalista Damon Albarn havia gravado uma versão da música em formato acústico com a mesma letra, mas com um andamento mais devagar.

A versão que ganhou o mundo surgiu de uma ideia do guitarrista Graham Coxon, que sugeriu as mudanças estéticas de velocidade e de som. A proposta era encontrar algo que soasse amador e mais sujo.

 

A brincadeira que virou hit

A música surgiu como uma espécie de brincadeira com a gravadora da banda na época. Depois de esquematizada, a banda disse para os executivos que queria que a canção se tornasse single. No entanto, para a surpresa dos membros do Blur, a ideia foi bem aceita. Mal sabiam eles (e a própria gravadora) do estrondoso potencial comercial que a canção viria a ter.

“Song 2” entrou em várias paradas de sucesso, recebeu certificados de ouro e platina em diversos países e se tornou o primeiro hit da banda a ganhar espaço significativo no mercado americano.

 

2, 2 e mais 2

“Song 2”, de fato, é a segunda música da tracklist do disco homônimo lançado pela banda em 1997. O título, em um primeiro momento, foi usado apenas para representar o lugar da música na tracklist do álbum, mas essas não são as únicas justificativas para esse nome.

A música conta com exatamente dois minutos e dois segundos de duração. É composta por dois versos e dois refrães. Como se isso não fosse suficiente, a construção da versão oficial da música também traz esse simbolismo numeral. A icônica bateria que introduz a música na verdade foi gravada em dois sets, gravados simultaneamente pelo baterista Dave Rowntree e por Graham Coxon. O turbinado baixo de Alex James também é duplicado, ganhando ênfase no refrão e no trecho final da música.

 

Afronta?

Na visão de alguns jornalistas, “Song 2” é uma provocação à música americana. Isso porque a canção pode ser interpretada como uma paródia do grunge, gênero que ainda tinha grande peso na cena do rock estadunidense.

Além disso, entende-se que exista uma crítica à falta de aprofundamento lírico da música americana. Afinal, a letra do hit do Blur nunca fez muito sentido:

“I got my head checked (Tive minha cabeça examinada)
By a jumbo jet (Por um avião jumbo)
It wasn’t easy (Não foi nada fácil)
But nothing is (Mas nada é)
Woo-hoo, when I feel heavy metal (Woo-hoo, quando me sinto heavy metal)
Woo-hoo, and I’m pins and I’m needles (Woo-hoo, e sou alfinetes e sou agulhas)
Woo-hoo, well, I lie and I’m easy (Woo-hoo, bem, eu minto e sou fácil)
All of the time, but I’m never sure why I need you (O tempo todo, mas nunca tenho certeza do porquê preciso de você)
Pleased to meet you (Prazer em te conhecer)”

 

O clipe

No vídeo oficial da música, vemos a banda tocando em um lugar pequeno com enormes amplificadores. Na hora do pulsante refrão, o som saindo dos amplificadores faz com que os integrantes sejam arremessados e batam nas paredes da sala.

Quem assina a direção do clipe é Sophie Muller, uma influente produtora que acumula mais de 300 clipes em seu currículo. Ela também colaborou em trabalhos de nomes como Gwen Stefani (e No Doubt), Sade, OneRepublic, Sophie Ellis-Bextor, P!nk, Maroon 5 e muito mais.

 

Comerciais de carro

Bom, é inevitável que o refrão mais famoso do repertório da banda Blur remeta a aspectos como energia, vitalidade, velocidade e emoção. E, acredite se quiser, é exatamente disso que um comercial de carro precisa.

Não à toa, “Song 2” foi trilha de várias propagandas automobilísticas ao longo dos anos. Fabricantes como Nissan, Toyota e Mercedez-Benz usaram a música como forma de atribuir a seus veículos uma atmosfera sofisticada e radical.

O comercial da Toyota, de 1999, ainda se apropriou da letra ao criar o slogan “Put more WOO in HOO you are” (“Ponha mais WOO em quem você é”, fazendo um jogo de palavras com o termo “who” e a expressão “hoo”).

 

“Roll the windows down / let your hair flow”?

O “woo-hoo” mais famoso da história da música foi reaproveitado das mais diversas formas ao longo dos anos.

No ano seguinte ao lançamento de “Song 2”, a banda finlandesa de eurodance Waldo’s People se apropriou de elementos usados pelo Blur em “U Drive Me Crazy“, dando a eles uma perspectiva mais dançante. Não à toa, a canção se tornou um de seus maiores sucessos.

Dentre outros remixes e homenagens feitas ao longo dos últimos anos, talvez o maior destaque comercial tenha surgido com o grupo Big Time Rush. “Windows Down“, de 2012, usa basicamente o mesmo refrão da canção original, mas com uma roupagem (bem) mais pop. A canção chegou até a entrar para a Billboard Hot 100.

   
Nosso site utiliza de cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Consulte nossa Política.
 
Compartilhar