O dia em que Charlie Watts socou Mick Jagger:
Reprodução / Instagram / Mick Jagger
 

Após a triste notícia do falecimento do já saudoso Charlie Watts, baterista do The Rolling Stones, fãs estão relembrando diversas histórias envolvendo o lendário músico.

Um dos casos mais icônicos que circulou pela internet nesta terça-feira (24) foi sobre o dia em que Watts deu um soco em Mick Jagger. A situação foi revelada em Life, autobiografia de Keith Richards, guitarrista dos Stones, lançada em 2010.

Na época do ocorrido, Jagger estava no auge de sua fama e, segundo Richards, era uma das pessoas mais irritantes que existia. De acordo com o trecho do livro, Watts foi uma das poucas pessoas que estava disposta a abaixar o ego do frontman da banda. No livro, o guitarrista relata (via CoS):

Houve um raro momento, no final de 1984, em que Charlie deu o soco de baterista – um soco que vi algumas vezes e é letal; carrega muito equilíbrio e tempo. Ele tem que ser muito provocado.

Estávamos em Amsterdã para uma reunião, Mick e eu não estávamos nos dando muito bem na época, mas eu disse ‘Vamos, vamos sair’ e emprestei a ele o casaco com que me casei. Voltamos para o hotel por volta das cinco da manhã e Mick ligou para Charlie. Eu disse ‘Não ligue para ele a esta hora’. Mas ele fez isso e disse: ‘Onde está meu baterista?’ Cerca de 20 minutos depois, houve uma batida na porta.

Lá estava Charlie Watts, terno Savile Row, perfeitamente vestido, gravata, barbeado. Eu podia sentir o cheiro da colônia! Eu abri a porta e ele nem olhou para mim, ele passou direto por mim, falou com Mick e disse: ‘Nunca mais me chame de seu baterista’.

Então ele o puxou pelas lapelas do meu casaco e deu-lhe um gancho de direita. Mick caiu sobre uma travessa de prata de salmão defumado e começou a deslizar em direção à janela aberta e ao canal abaixo. E eu estava pensando, ‘Isso é bom’, e então percebi que era meu casaco de casamento. E eu agarrei Mick pouco antes dele deslizar para o canal de Amsterdã.

Em seguida, Richards conta que Charlie não ficou satisfeito com apenas um soco e ele precisou intervir para que Jagger não recebesse outro. O guitarrista disse que, 12 horas depois do ocorrido, Watts ainda queria bater no cantor.

Pelo menos tudo terminou bem, e os músicos seguiram juntos na estrada por um bom tempo — aliás, é bem provável que esse episódio tenha sido fundamental para manter a cabeça dos Stones no lugar.

LEIA TAMBÉM: Paul McCartney lamenta a morte de Charlie Watts: “um baterista fantástico, um homem belo”