Público de festivais
Foto via Shutterstock
 

A alegria do retorno dos festivais no Reino Unido pode ter durado muito pouco.

Nos últimos dias, foram realizados diversos eventos-teste — como um show de Fatboy Slim para 3 mil pessoas — que se mostraram super bem-sucedidos na tentativa de retomar os shows ao vivo. Isso parecia dar bons sinais para a realização dos festivais no verão europeu, mas parece que o governo britânico pode acabar sendo um empecilho para isso.

De acordo com a Louder, as autoridades do país parecem não estar dispostas a ceder e criar um fundo de garantias para os organizadores, caso eles sejam obrigados a cancelar seus eventos em decorrência da pandemia.

Mais de um quarto dos festivais com público estimado de acima de 5 mil pessoas já anunciou seu cancelamento, uma vez que a expectativa de retirada das restrições está marcada para 21 de Junho e aparentemente não haverá tempo hábil para remanejar os eventos ou negociar uma garantia com o governo.

A Associação dos Festivais Independentes (AIF) emitiu um alerta dizendo que prevê que até 76% dos eventos previstos para Julho e Agosto devem ser cancelados, uma vez que grande parte das produtoras estão operando no limite e não podem correr o risco de planejar tudo sem a certeza de que terão um retorno e/ou garantias do governo.

O festival 2000 Trees, por exemplo, emitiu um comunicado reclamando de tratamento diferenciado à indústria do cinema. Eles escreveram que, “ainda que tenha providenciado um esquema similar para cinema & TV, o governo decepcionou completamente a indústria da música ao se recusar a ter uma simples política de garantias”.

Em outros países, como Áustria, Dinamarca e Suécia, o governo está diretamente envolvido com esquemas parecidos para retomar a indústria cultural. Na Holanda, aliás, há um fundo criado pelo governo no valor de 300 milhões de euros para cobrir possíveis cancelamentos de eventos musicais, de negócios e de esportes.

Que pena, hein?

 
Compartilhar