Hinds - Leave Me Alone

Há algo de atraente em todo o pacote que envolve o quarteto Hinds, de Madrid, nova banda queridinha do indie e uma das grandes apostas para 2016.

Após EPs bem sucedidos em 2014 e uma troca de nome, a banda espanhola que atendia por Deers surge com seu primeiro disco de estúdio, e até seu nome é provocativo: Leave Me Alone.

Na capa do álbum, como é comum com discos de estreia, uma foto apresenta a banda ao mundo, nela as quatro integrantes fazem caras e bocas e duas delas seguram garrafas de bebidas alcoólicas, o que colabora com a imagem de jovens descoladas que as europeias querem passar.

Musicalmente falando, a faixa de abertura, “Garden”, bebe muito da fonte de nomes como Mac DeMarco, Tame Impala e a mistura psicodélica/folk/lo-fi que tem formado bandas entre as preferidas do público de festivais mundo afora.

Um dos diferenciais do Hinds é o delicioso vocal feminino que dá uma cara pop ao som e faz lembrar nomes como Best Coast, por exemplo, ao mesmo tempo que o instrumental usa e abusa das guitarras, camadas e efeitos.

“Fat Calmed Kiddos” segue em linha parecida mas aposta na alternância de vocais entre as integrantes e em partes calmas que ganham velocidade sem aviso prévio.

“Warts”, uma das melhores do álbum, tem forte apelo pop e além do riff que lembra fases do Sleater-Kinney, traz mais um conjunto forte de vozes e um refrão que vai deixar os fãs de lo-fi felizes da vida. É em canções como essa que o grupo começa a misturar belas e delicadas vozes com gritos desafinados e cheios de efeito. O resultado é interessante e em certos momentos lembra nomes do punk como a banda canadense White Lung.

A preguiçosa “Easy” faz jus ao nome e é pra relaxar, esteja você ou as integrantes da banda sob efeitos de substâncias como as da capa ou proibidas e “Castigadas En El Granero” é daquelas pra dançar em um dia de verão.

Por falar em verão, “Solar Gap” aparece na forma de mais uma bela canção cheia de preguiça daquelas para a qual você já consegue imaginar até um clipe com filtros de vídeo antigos. Dessa vez a faixa é instrumental e serve como espécie de interlúdio para a segunda metade do álbum que começa com “Chili Town”.

A canção é mais uma boa amostra da sonoridade da banda mas começa a colocar em evidência a falta de alternâncias do disco, seu maior defeito. Há grandes canções aqui e boa parte delas faz muito sentido ao reunir elementos do que tem rolado de quente no rock e adicionar características próprias. O problema é que as canções começam a soar repetitivas e a sensação permanece até o final do álbum.

“Bamboo” faz a linha chapada do disco e “San Diego” é mais uma canção pop divertida com potencial para as rádios, inclusive. “I Will Send Your Flowers Back”, “I’ll Be Your Man” e “Walking Home” fecham o álbum e a única exceção fica para a última, que aposta em uma batida diferente para transformar o som da banda, que deixou a última faixa de seu disco de estreia para tentar algo diferente.

Leave Me Alone, disco de estreia do Hinds, é um bom álbum, mas a criatividade das meninas de Madrid precisa ir além para que seu próximo álbum não se torne cansativo.

 

NOTÍCIAS MAIS QUENTES no RESUMO DA SEMANA

Fique por dentro das notícias mais quentes do mundo da música, bem como dos lançamentos nacionais, ouvindo o Resumo da Semana, programa do Podcast Tenho Mais Discos Que Amigos!