Pure Love - Anthems

Frank Carter, ex-vocalista do excelente Gallows, decepcionou muitos fãs do quarteto quando saiu da banda após os primeiros ensaios do que viria a ser o terceiro álbum do quarteto inglês, em 2011. O susto foi amenizado com o anúncio de um novo projeto liderado por Carter, chamado Pure Love, mas a surpresa deu lugar ao choque quando o Pure Love lançou o primeiro single, “Bury My Bones”: em vez do punk/hardcore quase berrado do Gallows, ou qualquer coisa próxima disso, o som do Pure Love se revelou algo muito mais próximo do hard rock, com vocais limpos e melodias fáceis que clamam por acompanhamento de grandes plateias. Afinal, o que estava acontecendo?

Anthems, o álbum de estreia do Pure Love, finalmente chegou à rede na quarta-feira (30), após ser disponibilizado em streaming no site da Noisey, e enfatiza as influências do hard rock setentista da dupla, que além de Carter, tem o guitarrista Jim Carroll, ex-The Hope Conspiracy e Suicide File, grupos relativamente bem conhecidos na cena underground do hardcore americano. Sem medo de soar pop demais para os fãs antigos, a dupla abusa de timbres e estruturas clássicas, com destaque para a performance técnica de Frank Carter, que em Anthems se mostra um vocalista competente e muito mais versátil do que conhecíamos no tempo do Gallows.

Produzido por Gil Norton (Foo Fighters, Pixies, Jimmy Eat World), Anthems soa extremamente interessante por mesclar muito bem as influências de hardcore da dupla com a nova proposta, o que resulta em faixas potentes como os singles “The Riot Song”, “Beach Of Diamonds” e “Handsome Devil’s Club” (veja o clipe abaixo), que chegam a soar quase pop punk em determinados momentos. “Handsome Devil’s Club”, por exemplo, ecoa The Gaslight Anthem, outra banda admirada pelo amálgama entre rock contemporâneo e clássico.

Nem todas as composições são brilhantes – “Heavy Kind Of Chain” e “Burning Love” parecem apenas preencher espaço no disco, além do single “Bury My Bones”, que lembra o rock caricato do The Darkness. Mas há vários bons momentos, como a explosão final na balada “Anthem” ou “Scared To Death” que, com riffs energéticos e levadas simples, lembra os melhores momentos do início da carreira do Foo Fighters.

Pomposo e conciso ao mesmo tempo, Anthems surpreende por não se limitar a gêneros, cenas ou estilos. Por um lado, pode não ser o que os fãs do Gallows esperavam, mas para eles há o recém-lançado terceiro álbum da banda, agora liderada por Wade MacNeil (Alexisonfire). Mas por outro, é uma ótima surpresa de um grupo que começou classificado apenas como “o novo projeto de…”, e tem potencial para se tornar o mais reconhecido trabalho da carreira de Frank Carter.

Nota: 7/10