Not Sorry

A excelente banda de hardcore formada em Seatlle, Not Sorry, que tem como principal influência o Sick Of It All, lançou no dia 14 de janeiro deste ano o EP “Moving On”, em vinil sete polegadas.

O registro ganhou duas capas, como pode ser visto acima. A primeira, foi feita para o lançamento via Salad Days Records e a segunda para o lançamento via Lifetine Recodrs.

Além dessas duas capas, “Moving On” também foi lançado em diferentes cores de vinil: Preto, azul, amarelo, mix de amarelo com verde.

Mas infelizmente os vinis não estão mais disponíveis na versão em amarelo e amarelo com verde.

Tracklisting:

1 “Moving On”
2 “Healing Crisis”
3 “Learned”
4 “Balance”
5 “Tears Us Down”
6 “Spitting Fire”

Para comprá-lo com a primeira capa postada e em vinil vermelho, clique aqui.

Para comprá-lo com a segunda capa postada e em vinil preto ou azul [vide foto abaixo], clique aqui.

As faixas “Moving On”, “Learned” e “Balance”, estão disponíveis para audição no myspace oficial da banda.

Documentário “She’s A Punk Rocker UK”

Dirigido por Zillah Minx (vocalista da Rubella Ballet), o documentário de uma hora de duração, lançado em 29 de março deste ano, contém entrevistas com lendas da cena punk rock do Reino Unido dos anos 70, como: Gaye Advert (The Adverts), Vi Subversa (Poison Girls), Poly Styrene (X-Ray Spex), Gee Vaucher (Crass), Julie Burchill (colunista), Caroline Coon (jornalista, ativista política e artista, quem fez a artwork de bandas como The Clash e The Police nos anos setenta) e muito mais.

O documentário visa mostrar o nascimento da era “mulheres do punk rock” no Reino Unido e como elas mudaram o estereótipo feminino.

A história do punk é extremamente importante na história da libertação feminina. Atráves da atitude, ideologia e caráter, as mulheres puderam mostrar que também são tão capazes quanto os homens de fazerem qualquer coisa. Inclusive, o movimento punk foi o primeiro onde as mulherem puderam ser tratadas igualmente.

Se as punk rock chicks eram tão visadas por conta do seu comportamento fora do padrão, então porque as mulheres se tornavam punks? Era apenas questão de aparência ou para causar mesmo, de forma escandalosa? Foi porque as punks eram tratadas igualmente por membros da mesma cultura? E como foram tratadas pelo resto da sociedade? Como elas se tornaram punks? Como que o fato de ter se tornado punk, afetou suas vidas? Será que as punks da época influenciaram diretamente nas atitudes das mulheres na sociedade atual?

Essas perguntas serão esclarecidas através desse excelente documentário, onde as lendas do punk rock do Reino Unido revelam a visão punk feminina e o lado real de uma cultura que tem sido muito mal compreendida e mal representada na mídia.

Suas histórias exploram suas experiências de vida ao se tornarem punks: Turnês, músicas, políticas, amigos, relacionamentos, eventos, estilos, etc.

Hoje em dia pode ser que a maioria dessas mulheres não se vistam mais como antigamente. Mas aí é que está o ponto culminante: O documentário mostra que você não precisa se mostrar punk no visual. Basta que a ideologia; o sentimento, permaneça no coração e você não abra mão disso nunca.

Levei mais de dez anos, sem financiamento algum e ajuda na distribuição para fazer o documentário no meu tempo livre. Como eu faço parte da cena punk e tenho estado nela desde 1976, essa foi uma bela forma de fazer contato com mais mulheres punks, foi incrível.” Zillah Minx.

Para comprar esse importantíssimo documentário em DVD, clique aqui.

Coletânea “The Sound of Horror – Vol. 1”

No dia 16 de março deste ano, foi lançada a coletânea “The Sound of Horror – Vol. 1“, via Robot Monster e segundo o selo, esta é a primeira de uma série que trará o melhor da horror music, psychobilly / punkabilly.

Mas calma. Essa notícia ainda ficará muito melhor!

Nessa série de compilações, você encontrará materiais raros, versões alternativas ou até mesmo faixas nunca antes lançadas!

São 74 minutos de pura lindeza. Confira abaixo a tracklisting:

01 Church For Sinners – “Paris After Dark”
02 Gotham Rd. – “On My Way”
03 Grave Robber – “Altered States”
04 Stellar Corpses – “My Shadow”
05 800 Octane – “Ultravixens”
06 Horrorwood Ending – “Ready To Die”
07 Epidemic – “As Corpses Vanish”
08 B Movie Monsters – “Hollywood Vampires”
09 Gruesome Boys – “Renfield Wants A Kitten…”
10 Dead Vampires – “City Of Vampires”
11 Horrorgans – “Through These Veins”
12 Johnny B. Morbid – “Will Kill For Food”
13 Koffin Kats – “Laws Of Sanity”
14 Ghoul Patrol – “Gut Rotting Riot”
15 Blitzkid – “Love Like Blood”
16 Sono Morti – “Eye For An Eye”
17 Deep Eynde – “We Don’t Care About You”
18 Hadesmachine – “In The Blood”
19 Vladimirs – “Zombie Eyed Youth”
20 Spook – “Boneman”
21 Monster Party – “Existential Displacement”
22 American Werewolves – “The Lonely Ones”
23 Dead Pleasures – “Bones”
24 Ghost Storys – “Space Metal”

Para comprar “The Sound of Horror – Vol. 1”, clique aqui.

Bridge Nine Records

A Bridge Nine Records fez algo sensacional: No site oficial da gravadora, toda sua discografia está disponível e documentada, com todas as riquezas de detalhes como tracklisting, data de lançamento, prensagem, etc.

Clique aqui para checar todos os álbuns lançados pela gravadora, que inclui na casting bandas como H20, New Found Glory, No Warning, Agnostic Front e Terror.

Abaixo, um video da banda H20 [que como já foi dito] faz parte do casting da Bridge Nine Records e que virá ao Brasil junto com a banda Terror, no dia 31 de julho em Curitiba e em São Paulo no dia 1º de agosto.