Capa do disco Quebra Azul da banda Baleia

Na bela graphic novel “Cachalote”, de Rafael Coutinho e Daniel Galera (que escrevi sobre aqui), uma velha mergulha grávida numa piscina, onde ela encontra uma gigante baleia. Esquecendo todos os sentidos que essa imagem pode (ou não) ter no contexto do livro, vamos focar num fato: só aquela velha viu todas as dificuldades que encontrou até achar aquele monstro que nadava por ali.

Cachalote de Daniel Galera e Rafael Coutinho

E a Baleia, a banda, também viu muita coisa acontecer. Mudanças de integrantes e de som, num processo de quase dois anos para que encontrassem algo incrível. E esse algo é Quebra Azul.

Lançado no último dia 2/10, o disco é ousado e pretensioso e consegue cumprir tudo que ousa e pretende. É experimental e pop, estranho e doce. E traz uma luz de originalidade que não se viu em nenhum outro lançamento laureado do indie nesse ano.

Cercado de ambiências sonoras – criadas pelas cordas e pelos arranjos vocais, o disco está disponível para download no site oficial da banda e está em streaming abaixo. Esse colunista gostou muito mesmo. Mas indico que você tire suas próprias conclusões: pegue um bom headphone, ouça e diga o que achou.