Madonna em NY
Reprodução/Instagram

Madonna revelou recentemente que não pretende seguir os passos de outros grandes artistas que venderam seus catálogos musicais.

Em nova entrevista à Variety (via CoS), a Rainha do Pop falou sobre seu empresário de longa data Guy Oseary e foi direta ao explicar o motivo de recusar as propostas envolvendo a venda de suas obras:

Porque são minhas músicas. Propriedade é tudo, não é?

A venda de catálogos de música gerou um retorno financeiro impressionante para artistas como Bruce Springsteen, por exemplo, que fechou um acordo com a Sony por cerca de US$500 milhões, aproximadamente R$2,8 bilhões.

Outros nomes que também se deram bem com as negociações foram Bob Dylan, que levou US$300 milhões da Universal Music em troca de mais de 600 músicas de sua carreira, e Justin Timberlake, que fechou um acordo com a Hipgnosis Song Management de US$100 milhões por todo o seu catálogo.

Madonna e seu catálogo de músicas

Ao invés de vender seu catálogo, Madonna fechou um acordo com a Warner Records em 2021 para que todas as suas músicas ficassem sob os cuidados da gravadora.

Porém, esta negociação permitiu que a cantora de 63 anos ganhasse mais liberdade para supervisionar e organizar reedições, lançamentos especiais e outras ações com suas obras.

Sobre os próximos planos envolvendo sua extensa discografia, Madonna declarou:

Estou apenas procurando maneiras interessantes e divertidas de relançar meu catálogo e apresentar minha música a uma nova geração.

Em tempo, a atitude de Madonna em continuar cuidando de seu catálogo vai de acordo com sua decisão de dirigir e coescrever sua própria cinebiografia. Recentemente, a cantora explicou que procurou uma forma para que “homens misóginos” não estragassem sua história.

Te contamos com mais detalhes aqui.

NOTÍCIAS MAIS QUENTES no RESUMO DA SEMANA

Fique por dentro das notícias mais quentes do mundo da música, bem como dos lançamentos nacionais, ouvindo o Resumo da Semana, programa do Podcast Tenho Mais Discos Que Amigos!

 

Compartilhar