MITA1
Crédito: Diego Castanho

Nos dias 21 e 22 de Maio, aconteceu no Rio de Janeiro o MITA Festival, que no final de semana anterior já havia contagiado os fãs de música em sua edição paulista.

Se nos dias que antecederam o evento as temperaturas estavam mais baixas e o clima frio junto com a chuva desanimava o carioca, o tempo mudou por completo e o festival foi realizado sob céu limpo e muita empolgação da plateia, que encheu o Jockey Clube da Gávea nos dois dias de MITA.

No sábado (21), o evento, que dispôs de uma área com mais de 100 mil metros quadrados, contou com shows de Coruja BC1 e Larissa Luz, Xênia França, Black Alien, Liniker, Heavy Baile, Two Door Cinema Club, The Kooks e Gorillaz. Já no domingo, o line-up do festival apresentou Rachel Reis, Alice Caymmi e Maria Luiza Jobim, Marcos Valle & Azimuth, Letrux, Tom Misch, Marcelo D2, Gilberto Gil, Jão e RÜFÜS DU SOL.

Sábado no MITA Festival

O grande destaque do sábado, claro, ficou para a estreia (finalmente) do Gorillaz em solo carioca. O projeto de Damon Albarn que mistura eletrônico com influências do Pop e do Hip-Hop fechou a primeira noite do MITA – sigla para Music Is The Answer (“Música É A Resposta”, em português) – com a plateia nas mãos.

No repertório, a banda – que carrega uma aura mística por conta de seus personagens animados – incluiu diversos hits que não deixaram a energia do público cair em nenhum momento.

Os fãs mais antigos saíram do chão com clássicos como “Clint Eastwood”, “Rhinestone Eyes”, “19-2000” e “Feel Good Inc.”. Embora a apresentação no Palco Corcovado tenha terminado com “Demon Days”, que foi um tanto anti-clímax, o público foi embora muito satisfeito.

Ainda no sábado, podemos destacar a emoção de Liniker por ter estado presente em um grande festival neste momento de retomada e seu pedido para que o público receba todas as travestis do Brasil com gritos e aplausos, assim como ela – que se apresentou no final da tarde – estava sendo recepcionada.

Já o Two Door Cinema Club, que tocou no mesmo palco que Liniker e Gorillaz, teve a missão de subir ao palco sem o seu vocalista, Alex Trimble, substituído pelo desconhecido David Clements. Embora tenha aparentado nervosismo ao longo do show, o cantor segurou a onda e superou as expectativas dos fãs.

Outro momento digno de menção foi a dificuldade para chegar próximo ao Palco Deezer (que tinha um campo de visão bem mais limitado que o principal) na hora da apresentação do The Kooks. Com o acesso dificultado pelo mar de gente, muitos fãs acompanharam mais de longe e a escuta do show ficou prejudicada pela logística.

Uma pena!

Domingo no MITA

Como aconteceu no primeiro dia de MITA no RJ, o domingo também foi marcado por um estreante na Cidade Maravilhosa. Trata-se dos australianos do RÜFÜS DU SOL, que incendiaram a plateia no Palco Corcovado com seus hits e transformaram o Jockey em uma verdadeira pista de dança.

No setlist, apareceram faixas marcantes na carreira do trio como “You Were Right”, “On My Knees”, “Innerbloom”, “Underwater” e “Next To Me”. Formado por Tyrone Lindqvist, James Hunt e Jon George, o grupo, antes de vir ao Brasil neste ano, já havia se apresentado em São Paulo em 2019, no Lollapalooza.

Também no domingo, mas no Palco Deezer, Marcelo D2 fez um show para fã nenhum botar defeito. O cantor, que se apresentou no meio da tarde, fez o público cantar alto com sucessos da carreira solo, como “Desabafo”, “Qual É?”, “1967” (dedicada ao saudoso Chorão) e “Vai Vendo”, além de hits do Planet Hemp, como “Contexto”, e uma versão de “Maneiras”, de Zeca Pagodinho.

Em “À Procura da Batida Perfeita”, D2 literalmente foi para a galera e andou entre os fãs que assistiam ao show. Ele, que começou a apresentação ao lado da esposa, Luiza Machado, em determinado momento trouxe ao palco a filha recém-nascida do casal, Maria Isabel. Durante todo show, Marcelo também esteve acompanhado do seu filho mais velho, Stephan Peixoto, conhecido artisticamente como Sain.

Quem também fez questão de mostrar sua família no palco foi Gilberto Gil que, enquanto a noite caía no Rio de Janeiro, se apresentou ao lado do filho Bem Gil, na guitarra, e da neta Flor, filha de Bela Gil, nos teclados. Inclusive, na execução de “Toda Menina Baiana” a reunião familiar ficou ainda maior com a aparição de Bela e Preta Gil.

Em outro momento do show, Gilberto colocou a neta de 13 anos à frente do palco para cantar “Say a Little Prayer”, de Burt Bacharach. No repertório, o público também se encantou com as performances de “Expresso 2222”, “Tempo Rei”, “Aquele Abraço”, além de uma cover de “Stir It Up”, de Bob Marley.

Vale ainda lembrar de Letrux com seu leque, declarando (mais uma vez) o voto em Lula nestas eleições de 2022, e de Jão pregando o amor livre em sua apresentação, marcada por uma versão poderosa para “O Tempo Não Para”, de Cazuza.

Que venha mais em 2023! Confira fotos do MITA RJ na nossa galeria a seguir.

LEIA TAMBÉM: MITA coloca fã de música em primeiro lugar e estreia com o pé direito em São Paulo

NOTÍCIAS MAIS QUENTES no RESUMO DA SEMANA

Fique por dentro das notícias mais quentes do mundo da música, bem como dos lançamentos nacionais, ouvindo o Resumo da Semana, programa do Podcast Tenho Mais Discos Que Amigos!

 

Compartilhar