Kendrick Lamar em Londres, 2016
Foto de Kendrick Lamar via Shutterstock

O name dropping, ou citação de nomes, é uma prática muito comum no rap, sobretudo o norte-americano. Pode ser usado para atacar ou elogiar alguém, para completar uma punchline ou um jogo de palavras, entre outros usos.

Em seu último álbum de estúdio, Mr Morale & The Big Steppers, Kendrick Lamar usa este recurso em momentos pontuais, em geral para criar um senso de exemplificação prática dos argumentos e narrativas que ele tenta criar.

Veja aqui 8 vezes que ele usa este recurso no disco e ao que eles se referem, além do que elas significam em seus versos!

1United In Grief

I bought a Rolex watch, I only wore it once / I bought infinity pools I never swimmed in / I watched Keem buy four cars in four months / You know the family dynamics on repeat”

“Eu comprei um relógio Rolex, só usei uma vez / Eu comprei piscinas de borda infinita nas quais eu nunca nadei / Eu vi Keem comprar quatro carros em quatro meses / Você vê que a dinâmica da família está se repetindo”

Aqui Kendrick cita Baby Keem, seu primo mais novo e rapper que atingiu o sucesso no último ano e aparecerá citado ou como participação em alguns momentos ao longo do álbum. Kendrick fala sobre sua ostentação desnecessária e mostra que Keem segue pelo mesmo caminho. Ao longo do disco, Kendrick fala sobre suas ações problemáticas como forma de esconder suas dores, e esta é uma delas.

2Worldwide Steppers

“Synchronization with my energy chakras, the ghost of Dr. Sebi / Paid it forward, cleaned out my toxins, bacteria heavy”

“Sincronizando com meus chakras energéticos, o fantasma do Dr. Sebi / Paguei adiantado, limpei minhas toxinas, cheio de bactérias”

Dr. Sebi foi um médico auto-proclamado (que não chegou a se formar em medicina), famoso pela criação de uma dieta que focava na alimentação de frutas e vegetais, de modo a limpar o sistema do paciente e que ele dizia que poderia curar diversas doenças.

Sebi ficou muito famoso e trabalhou para pessoas como Eddie Murphy e Michael Jackson, mas seu trabalho sempre foi descreditado pela ciência e ele sofreu diversos processos pela prática ilegal de medicina. Kendrick o cita ao construir um raciocínio em que ele diz precisar de uma limpeza espiritual em seu corpo.

3Father Time

“When Kanye got back with Drake, I was slightly confused / Guess I’m not mature as I think, got some healin’ to do”

“Quando Kanye fez as pazes com Drake, eu fiquei um pouco confuso / Acho que não sou tão maduro quanto eu penso, (ainda) tenho que me curar de algumas coisas”

Aqui Kendrick usa os artistas para mostrar que ainda não é tão maduro quanto Kanye e Drake para fazer as pazes com alguém com quem teve problemas tão intensos. Há também a possibilidade de tudo ser uma ironização, embora isso não case tanto com a tônica do álbum.

Kanye e Drake tiveram uma briga pública por anos, desde que Pusha-T atacou Drake em seu álbum produzido por Kanye. A briga esquentou de vez na internet em 2022, com Drake dedicando diversas linhas ou músicas inteiras de seu último álbum, Certified Lover Boy, a atacar seu rival. No entanto, pouco tempo depois do lançamento deste disco, os dois fizeram as pazes, inclusive performando juntos em shows.

Continua após o vídeo

4We Cry Together

You the reason R. Kelly can’t recognize that he’s abusive / Man, shut the fuck up, we all know you still playin’ his music”

“Você é o motivo pelo qual R. Kelly não consegue admitir que ele é abusivo / Cara, cala a porra da boca, nós sabemos que você ainda tá ouvindo a música dele”

Aqui a primeira linha é da personagem mulher, atacando seu interlocutor como uma personificação da masculinidade tóxica e do machismo, que são a razão pela qual homens não reconhecem suas atitudes abusivas. Estas atitudes são personificadas pelo veterano cantor de R&B, R. Kelly, que anos atrás foi exposto por diversos crimes sexuais, como abuso, pedofilia e tráfico de mulheres. Embora tenha sido condenado, Kelly segue negando sua culpa.

O personagem de Kendrick ataca de volta na segunda linha, acusando a hipocrisia da sua parceira, que ataca Kelly mas ainda ouve sua música. Hipocrisia na militância é um tema que aparece em diversos momentos do disco.

5Purple Hearts



Foto de Bob Marley por Eddie Mallin

“Crown on Bob Marley, wrist on Yo Gotti / They gon’ judge your life for a couple likes on the double tap”

“Coroa de Bob Marley, punho de Yo Gotti / Eles vão julgar a sua vida por algumas curtidas no toque duplo”

Aqui Kendrick referencia dois acessórios simbólicos: a “coroa” de Bob Marley, que é uma espécie de touca de crochê usada para comportar longos dreadlocks em um sinal de resistência e da cultura rastafari e, em oposição, o punho do rapper Yo Gotti, conhecido por esbanjar seu dinheiro em relógios de luxo.

O argumento aqui é de que não importa o motivo ou o que quer que você faça ou use, as pessoas vão te julgar publicamente, tudo para conseguir respostas positivas nas redes sociais.

Continua após a imagem

6Savior (1)

“Like it when they pro-Black, but I’m more Kodak Black

“Eu gosto quando eles são pró-negros, mas eu sou mais (como) Kodak Black”

Kodak Black é um rapper que aparece em alguns momentos do disco e passou anos preso por conta de diversos problemas com a justiça, como posse de armas e drogas e más condutas sexuais, antes de ser perdoado em 2021 por Donald Trump.

Kendrick usa Kodak como um exemplo de pessoa negra problemática, pelas quais pessoas que se posicionam contra o racismo casualmente nas redes sociais não empatizam de verdade. O artista se mostra como alguém não tão distante de Kodak. Ao longo do disco, inclusive, K-dot tenta empatizar com pessoas com problemas que tiveram uma vida difícil ao longo da infância.

7Savior (2)



Foto via Wikimedia Commons

“Seen a Christian say the vaccine mark of the beast / Then he caught COVID and prayed to Pfizer for relief / Then I caught COVID and started to question Kyrie”

“Vi um cristão dizer que a vacina é a marca da besta / Aí ele pegou COVID e rezou à Pfizer por ajuda / Aí eu peguei COVID e comecei a questionar Kyrie”

Kendrick ataca a hipocrisia de grupos cristãos que agiram negando as vacinas, mas que após contrair a doença recorrem às mesmas empresas responsáveis por criar o imunizante. O MC então relaciona isso a Kyrie Irving, jogador da NBA que ficou famoso por perder boa parte da temporada da NBA ao recusar se vacinar, um requerimento em diversos estados dos EUA.

Continua após a imagem

88. Mr. Morale

“I think about Robert Kelly / If he weren’t molested, I wonder if life’ll fail him / I wonder if Oprah found closure / The way that she postered the hurt that a woman carries”

“Eu penso sobre Robert Kelly / Se ele não tivesse sido molestado, eu me questiono se a vida iria falhar com ele / Eu me pergunto se a Oprah encontrou um desfecho / O jeito que ela postergou a dor que uma mulher carrega”

Lamar aqui faz de novo um exercício de empatia, usando um exemplo positivo e um negativo de vida. Primeiro, R. Kelly, cujo caso já foi citado, onde o artista questiona se ele teria seguido o mesmo caminho caso não tivesse sofrido abuso sexual na infância. Depois, pensa em Oprah Winfrey, icônica apresentadora negra estadunidense que se tornou um sinal de mulher forte, também com um histórico de abuso sexual.

Kendrick usa os dois exemplos de pessoas que tiveram suas histórias afetadas por sofrimentos na infância. Na verdade, a forma que a construção familiar afeta pessoas em sua vida adulta e seus defeitos é uma temática predominante no disco, sempre pregando empatia e perdão. Diria que esta é a grande Morale do álbum.

LEIA TAMBÉM: Do individual para o coletivo: a grandeza de “Alright”, de Kendrick Lamar

Compartilhar