Jack White - Fear of the Dawn

Quando lançou o single “Taking Me Back” no ano passado, Jack White nos deu uma pequena amostra do que seria o seu novo disco Fear of the Dawn.

A música chegou com algumas das guitarras mais pesadas que já ouvimos na carreira do guitarrista — incluindo todos os seus projetos, desde o The White Stripes até o The Raconteurs — e também apostou em uma veia experimental, com trechos trazendo dissonâncias, distorções e quebras de ritmo que mantêm o ouvinte sempre atento.

Continua após o vídeo

A barulheira, no melhor sentido possível, continua durante todas as 12 faixas da obra que chegou na última sexta-feira (8) através da Third Man Records, gravadora do próprio Jack, como o primeiro de dois trabalhos de estúdio que White programou para este ano.

Como já te contamos por aqui, no próximo mês de Julho o músico deve liberar Entering Heaven Alive, que virá na contramão do que ouvimos agora. Se o novo disco passeia por subgêneros do Rock como Punk, Metal, Rock Psicodélico e mais, o material seguinte focará em uma sonoridade mais suave, priorizando o formato acústico.

Do experimentalismo ao peso

Todas essas influências citadas acima são absorvidas com maestria por Jack, que as transforma em sua sonoridade sempre tão única. Talvez o mais impressionante de tudo seja o fato de que, a essa altura de sua carreira, o músico ainda seja capaz de soar diferente mesmo lidando com a sina que é ter um estilo tão característico.

Em “The White Raven”, por exemplo, podemos ver inúmeros traços de tudo que consagrou o norte-americano no White Stripes. Ao mesmo tempo que evoca essa nostalgia para os fãs de seu passado, também traz elementos mais novos e sons experimentais que evidenciam a facilidade de Jack para transformar ideias simples em músicas complexas e elaboradas.

Continua após o vídeo

Por outro lado, “Hi-De-Ho” traz um viés diferente ao convidar o rapper Q-Tip para interpretar uma faixa montada a partir de uma composição de Cab Calloway, músico americano de Jazz que faleceu em 1994. É aqui que percebemos que White está totalmente disposto a sair de sua zona de conforto — qualquer que seja ela.

Isso também fica evidente em “What’s the Trick?”, canção que resgata elementos do Punk e ao mesmo tempo, se fizermos o exercício de imaginá-la em uma versão desacelerada, remete imediatamente a trabalhos anteriores do guitarrista e vocalista, como os ótimos Lazaretto (2014) e Blunderbuss (2012).

Fear of the Dawn

O sentimento que permeia Fear of the Dawn, e também o que melhor resume a nova obra de Jack White, é a liberdade.

Novamente resgatando a prévia “Taking Me Back”, desde o começo foi possível perceber que o guitarrista vive sua fase mais livre, tanto figurativamente quanto literalmente; afinal de contas, ter seu próprio selo faz com que Jack não precise se preocupar com pressões comerciais e, ao invés disso, entregue um disco que tem a sua mais pura essência.

Continua após o vídeo

Fear of the Dawn nos convida a fazer uma reflexão sobre quantos músicos não estão (ou estiveram) presos a amarras, sejam elas auto-impostas ou colocadas por gravadoras ou pelo mercado da música.

Uma faixa como “That Was Then, This Is Now” lembra o início do White Stripes, onde uma canção simples ganhava vida através da energia única de um dos grandes músicos deste século, e faz com que o próprio Jack White se reencontre com aquela paixão que fez com que ele seguisse esse caminho de vida — e que, honestamente, parecia estar se perdendo até ser resgatada com o ótimo novo álbum.

Que venha Entering Heaven Alive!

NOTÍCIAS MAIS QUENTES no RESUMO DA SEMANA

Fique por dentro das notícias mais quentes do mundo da música, bem como dos lançamentos nacionais, ouvindo o Resumo da Semana, programa do Podcast Tenho Mais Discos Que Amigos!

 

REVIEW GERAL
Nota:
8.5
Compartilhar