Matuê no Lollapalooza Brasil
Foto por Stephanie Hahne / TMDQA!

“Tuê, cadê você, eu vim aqui só pra te ver!”

Não precisava conhecer o artista que subiria ao Palco Adidas no Lollapalooza Brasil 2022 para saber que Matuê é uma figura querida por milhares no Brasil inteiro.

Um dos nomes mais importantes do Trap na atualidade, o músico cearense teve seu show marcado para as 14:45 e conseguiu a proeza de arrastar uma multidão imensa até o Autódromo de Interlagos em plena sexta-feira, o que é pra lá de louvável.

Quando começou o show, o que se viu (e ouviu) foram diversos jovens cantando as músicas de Matuê a plenos pulmões e mostrando que ele poderia facilmente tocar em um horário posterior e teria seu show aclamado.

Matuê no Lollapalooza Brasil

Matuê no Lollapalooza Brasil 2022

O Trap é um dos estilos mais populares no mundo todo e talvez Matuê tenha sido o artista brasileiro que mais conseguiu incorporar os elementos do subgênero do Rap ao seu som.

Isso ficou bem claro em “Máquina do Tempo”, que começou o set e apresentou as armas do cara: versos e rimas sobre relacionamentos, drogas e outras coisas, além de batidas que misturam peso e melodia para criar uma base sonora interessante.

Outras canções como “Mantém”, “É Sal” e “Banco” apareceram no set, e todas elas traziam a combinação que conquistou o público logo no início, falando sobre assuntos como a maconha, sexo e sempre se conectando com o público jovem no som e na estética.

Antes de apresentar “Antes”, ele disse que durante a pandemia sempre sonhou com o momento em que finalmente poderia se apresentar novamente para uma grande multidão, o que aconteceu ali.

A celebração veio com “Anos Luz” e o final foi se encaminhando com “Quer Voar” e seus trechos como “Queimando gasolina, ah-yah / Famoso comedor de prima, ah-yah / Sexo encanta, sorriso me hipnotiza-iza / Sempre quis fuder a sua brisa.”

Chorão e a Conexão com o Passado

Público do Matuê no Lollapalooza Brasil 2022

Na entrevista da transmissão, Matuê disse que a ideia principal era apresentar seu som e suas influências, falando sobre Skate, Rap e citando Chorão, vocalista do Charlie Brown Jr. que foi mostrado no telão no início da apresentação e que teve um discurso apresentado por lá.

Ao se conectar com o saudoso músico, fica claro que a molecada criando os novos sons está bebendo em fontes que nem percebíamos que já lançaram músicas e discos icônicos há tanto tempo.

Mais que isso, está misturando traços do Rock e do Rap de décadas atrás para fazer a sua própria versão desses gêneros. Amando ou não sendo lá muito fã, ela está se conectando com públicos imensos e o sucesso do explosivo show de Matuê deixou tudo bem claro.

NOTÍCIAS MAIS QUENTES no RESUMO DA SEMANA

Fique por dentro das notícias mais quentes do mundo da música, bem como dos lançamentos nacionais, ouvindo o Resumo da Semana, programa do Podcast Tenho Mais Discos Que Amigos!

 

Compartilhar