Dave Grohl e Kurt Cobain no Acústico MTV do Nirvana
Foto: YouTube / Reprodução

Não há dúvidas de que o Acústico MTV do Nirvana é um dos lançamentos mais bem sucedidos da história da indústria fonográfica.

Além de uma performance inspirada de Kurt Cobain, Dave Grohl, Krist Novoselic, Pat Smear e companhia, a obra ao vivo ganhou novos contornos por conta da trágica morte do guitarrista e vocalista, que nos deixou meses antes do lançamento do álbum.

Pois quem contou novos detalhes a respeito da apresentação foi o líder do Foo Fighters, que recentemente disponibilizou um livro ao mundo chamado Dave Grohl – O Contador de Histórias.

Por lá, o músico revela bastidores de shows, detalhes da sua vida como criança e adolescente, criação da família e muito mais, e recentemente a obra foi lançada aqui no Brasil pela editora Intrínseca.

Dave Grohl, Kurt Cobain e a “bateria” misteriosa

No capítulo “Sessão Espírita com John Bonham”, Dave fala sobre um curioso hábito que tinha desde criança, o de “tocar bateria” com os dentes:

Ainda bem novo, comecei a tocar bateria com os dentes, deslizando o maxilar e fazendo movimentos de mastigação para batê-los e simular o som de uma bateria com a boca, fazendo rufares e adornos como se estivesse usando as mãos, sem que ninguém jamais notasse isso. Ao caminhar todas as manhãs para a escola, murmurava melodias e tocava as partes de bateria com os dentes, brincando com as minhas músicas favoritas e compondo canções originais até entrar pelo portão e colocar a mochila no armário. Era o meu segredo mais bem guardado, quase como se estivesse praticando bateria o dia inteiro na cabeça, em silêncio, o que me ensinou novos truques para tentar quando tivesse à mão o instrumento de verdade.

O baterista do Nirvana ainda contou sobre uma curiosa visita ao dentista, quando foi questionado pelo profissional da saúde se ele teria o hábito de mastigar gelo:

Intrigado, respondi:

– Hã… acho que não…?

Ele me disse que havia um grau de deterioração incomum, sinal de que algo estava gastando meus dentes, e na hora entendi o motivo.

– É que eu toco bateria com os dentes! – falei, todo animado e orgulhoso.

Ele, perplexo, me encarou como se eu tivesse perdido a cabeça. Pedi para que se aproximasse. Ele se ajoelhou, posicionando o ouvido a centímetros da minha boca. Toquei ‘Tom Sawyer’, do Rush, para que ouvisse. Meu maxilar avançava e se retraía velozmente, o som de cálcio e esmalte sendo picados parecendo um sapateador num palco irregular. O dentista ficou de olhos arregalados, se afastando chocado e falando que eu deveria rever aquele hábito estranho e prejudicial à saúde oral. Mas não havia volta. Eu estava condenado a praticar percussão ortodôntica pelo resto da vida.

Conexão com Kurt Cobain

Ao continuar a história, Dave faz questão de ressaltar que uma única pessoa fazia o mesmo que ele, e disse:

Só conheci outra pessoa na minha vida que adotava a mesma prática incomum: Kurt Cobain.

Dá pra notar bem isso durante nossa performance no Acústico MTV filmado em novembro de 1993 em Nova York. É possível ver o maxilar de Kurt cerrado e se movendo de um lado para outro em certas passagens do show, já que isso lhe servia como uma espécie de metrônomo enquanto dedilhava o violão. Para mim, fazia total sentido, considerando que cada músico cria a própria dinâmica pessoal. Há um ritmo interno que todo instrumentista segue, e um é sempre diferente do outro. Como escrevi no prefácio de Beast [Fera, em tradução livre], a biografia de John Bonham escrita por Chad Kushins, é um conceito difícil de definir.

Demais, hein?

Dave Grohl – O Contador de Histórias já está disponível em todas as livrarias físicas e virtuais, em um lançamento da Editora Intrínseca, que gentilmente cedeu uma cópia do livro ao Tenho Mais Discos Que Amigos!

NOTÍCIAS MAIS QUENTES no RESUMO DA SEMANA

Fique por dentro das notícias mais quentes do mundo da música, bem como dos lançamentos nacionais, ouvindo o Resumo da Semana, programa do Podcast Tenho Mais Discos Que Amigos!

 

Compartilhar