Fábio Porchat rebate críticas e GloboPlay aponta
Reprodução / Twitter

Em meio à polêmica envolvendo o filme Como se tornar o pior aluno da escola, de Danilo Gentili, o ator e humorista Fábio Porchat rebateu às recentes acusações contra a obra.

O longa, que foi inspirado em um livro homônimo de Gentili, recebeu nos últimos dias duras críticas de internautas e parlamentares bolsonaristas que apontaram que a comédia, que foi lançada há cinco anos, faz apologia à pedofilia.

Em uma nota enviada ao GLOBO na última terça-feira (15), Porchat comentou sobre o papel de alguns vilões das tramas de ficção ao falar sobre as críticas que o filme brasileiro tem recebido.

Ele disse (via Extra):

Como funciona um filme de ficção? Alguém escreve um roteiro e pessoas são contratadas para atuarem nesse filme. Geralmente o filme tem o mocinho e o vilão. O vilão é um personagem mau. Que faz coisas horríveis. O vilão pode ser um nazista, um racista, um pedófilo, um agressor, pode matar e torturar pessoas… O Marlon Brando interpretou o papel de um mafioso italiano que mandava assassinar pessoas. A Renata Sorah roubou uma criança da maternidade e empurrava pessoas da escada. A Regiane Alves maltratava idosos.

Mas era tudo mentira, tá gente?

Essas pessoas na vida real não são assim.

Fábio Porchat rebate críticas

A cena que gerou a grande polêmica mostra o personagem de Fábio Porchat mediando um conflito entre dois garotos e pedindo para que os jovens o masturbem.

Devida à repercussão, nesta terça-feira (15), o Ministério da Justiça e Segurança Pública determinou, em caráter cautelar, que as plataformas que possuem os direitos de distribuição da obra devem suspender imediatamente sua exibição.

Como falamos aqui, caso a decisão da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) não seja cumprida em cinco dias, as empresas podem pagar multa diária de R$50 mil.

Vale lembrar, que foi o próprio Ministério da Justiça que determinou, com base em regras técnicas, a classificação indicativa de 14 anos para o filme.

Ainda em resposta às críticas feitas ao filme, Fábio Porchat reforça que algumas obras são até premiadas por abordar temas mais delicados. Além disso, ele questiona o que seriam das produções se elas não pudessem retratar situações pesadas em suas histórias. Ele argumentou:

Temas super pesados são retratados o tempo todo no audiovisual. E às vezes ganham prêmios! Jackie Earle Haley concorreu ao Oscar em 2007 interpretando um pedófilo no excelente filme ‘Pecados Íntimos’. Só que quando o vilão faz coisas horríveis no filme, isso não é apologia ou incentivo àquilo que ele pratica, isso é o mundo perverso daquele personagem sendo revelado. Às vezes é duro de assistir, verdade.

Quanto mais bárbaro o ato, mais repugnante. Agora, imagina se por conta disso não pudéssemos mais mostrar nas telas cenas fortes como tráfico de drogas e assassinatos? Não teríamos o excepcional ‘Cidade de Deus’? Ou tráfico de crianças em ‘Central do Brasil’? Ou a hipocrisia humana em ‘O Auto da Compadecida’. Mas ainda bem que é ficção, né? Tudo mentirinha.

Filme de Danilo Gentili e os serviços de streaming

Atualmente, o filme Como se tornar o pior aluno da escola está disponível na Netflix, Telecine, GloboPlay, YouTube, Apple e Amazon Prime Video.

Indo contra a decisão do Ministério, o serviço de streaming da Rede Globo informou que não irá acatar a medida após classificar a ordem como “censura”. Em uma nota, a plataforma declarou (via POPline):

O Globoplay e o Telecine estão atentos às críticas de indivíduos e famílias que consideraram inadequados ou de mau gosto trechos do filme ‘Como se tornar o pior aluno da escola’ mas entendem que a decisão administrativa do ministério da Justiça de mandar suspender a sua disponibilização é censura. A decisão ofende o princípio da liberdade de expressão, é inconstitucional e, portanto, não pode ser cumprida.

As plataformas respeitam todos os pontos de vista mas destacam que o consumo de conteúdo em um serviço de streaming é, sobretudo, uma decisão do assinante – e cabe a cada família decidir o que deve ou não assistir.

O filme em questão foi classificado, em 2017, como apropriado para adultos e adolescentes a partir de 14 anos pelo mesmo ministério da Justiça que hoje manda suspender a veiculação da obra.

Nova Classificação do Filme

Como a classificação do filme foi algo muito questionado ao longo dos últimos dias, o Ministério da Justiça fez uma alteração.

Em um despacho publicado no Diário Oficial da União nesta quarta-feira (16), a classificação indicativa do filme passou de 14 anos para 19 anos. A mudança, cita “tendências de indicação como coação sexual; estupro; ato de pedofilia e situação sexual complexa”.

Além disso, o texto recomenda que a exibição do filme em televisão aberta aconteça apenas após às 23 horas e informa que a nova classificação etária deve ser colocada em prática até cinco dias corridos após o despacho.

LEIA TAMBÉM: após ruptura ideológica, direita “força” retirada de filme de Danilo Gentili elogiado pela própria anos atrás

NOTÍCIAS MAIS QUENTES no RESUMO DA SEMANA

Fique por dentro das notícias mais quentes do mundo da música, bem como dos lançamentos nacionais, ouvindo o Resumo da Semana, programa do Podcast Tenho Mais Discos Que Amigos!

 

Compartilhar