Silverchair

Daniel Johns, ex-frontman do Silverchair, compartilhou uma nova lembrança sobre sua saudosa banda que marcou o cenário “pós Grunge” dos anos 90 e 2000.

Através de sua conta do Instagram, o músico publicou um vídeo onde ele aparece ao lado do baterista Ben Gillies e do baixista Chris Joannou tocando o single “Emotion Sickness”, que integra o disco Neon Ballroom (1999), em diferentes épocas da trajetória da banda.

Acompanhando os antigos registros, Johns escreveu um texto contando alguns detalhes sobre o lançamento do ousado terceiro disco do grupo e destacando como ele se orgulha do trabalho que fez naquele período. No começo de sua legenda, ele ainda ressaltou a forte presença do Nu Metal na época:

Imagine esse cenário… Estamos em 1999 e o Nu Metal e as guitarras de 7 cordas estão dominando a cena musical internacional. Neste momento, Silverchair retorna não apenas com um S maiúsculo, mas também com uma obra bombástica e orquestrada com vocais em falsete e floreios de piano de vanguarda chamada ‘Emotion Sickness’.

Eu escrevi ‘Emotion Sickness’ e a maior parte de ‘Neon Ballroom’ com o objetivo de ser um lançamento solo antes daquela fatídica viagem de Nick Launay a Newcastle (como contado [no podcast] ‘Who Is Daniel Johns?’) que ajudou a me convencer a trazer essas músicas para o Silverchair.

Estou feliz por ter feito isso porque havia uma energia incrível no ar quando meus amigos de infância Ben [Gillies], Chris e eu tocávamos essa introdução no início de cada show.

Em festivais ao redor da América, grupos de manos raivosos com bonés de beisebol estavam esperando ‘Slave’, nossa abertura [do disco] ‘Freakshow’, mas em vez disso eles recebiam essa.

Eu estava tão orgulhoso da banda. Estávamos tocando a música que eu sempre senti que éramos capazes de tocar. Não apenas isso, mas estávamos integrando com sucesso uma paleta sonora mais complexa em nosso setlist de rock pesado existente e nos safando com isso!

Em seu depoimento, Daniel Johns também relembrou que escreveu Neon Ballroom quando tinha entre 18 e 19 anos de idade. Ele revelou também que, ao invés de fazer o dever de casa da escola, passava seu tempo pesquisando e se apaixonando pela composição e instrumentação clássica.

Silverchair – Neon Ballroom

Ainda na postagem, o músico destaca que aquele foi seu primeiro álbum como compositor em tempo integral e que “Emotion Sickness” foi “um risco criativo ousado”. Sobre isso, ele comentou:

Isso assustou algumas pessoas na época, mas rapidamente aprendi que o medo geralmente é apenas a barreira da sua mente que deseja segurança e tenta impedir que você entre em um belo desconhecido. ‘Emotion Sickness’ continuaria sendo nossa música de abertura durante toda a vida da banda, embora, é claro, evoluísse com o tempo, como mostra este vídeo.

Os fãs de equipamentos perceberão que minha Les Paul permaneceria constante. Esta guitarra foi a arma perfeita para ‘Emotion Sickness’, pois tinha uma rara capacidade de transmitir clareza, mas, quando convidada, tinha uma musculatura suficiente para convenceria (alguns) dos manos irritados de que o ‘Silverchair não ficou leve’ [risos].

Tenho orgulho de mim em 1999, quando muitos estavam convidando DJs para a banda, eu estava convidando [o pianista] David Helfgott.

Johns finalizou seu texto indicando que “Emotion Sickness” o ajudou a reconhecer um destemor que ele tem utilizado “com orgulho” em seu próximo disco solo FutureNever, previsto para ser lançado neste ano.

Apesar de lembrar com carinho de situações que viveu enquanto membro do Silverchair, o vocalista colocou um ponto final definitivo na história da banda no ano passado. Saiba mais aqui e confira a publicação de Daniel Johns abaixo.

LEIA TAMBÉM: 25 anos depois, baterista do Silverchair relembra composição do hit “Freak”

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Daniel Johns (@danieljohnshq)

NOTÍCIAS MAIS QUENTES no RESUMO DA SEMANA

Fique por dentro das notícias mais quentes do mundo da música, bem como dos lançamentos nacionais, ouvindo o Resumo da Semana, programa do Podcast Tenho Mais Discos Que Amigos!