Spencer Elden, o bebê do Nirvana, recria a capa de
 

O processo de Spencer Elden, o eterno bebê da icônica capa do álbum Nevermind (1991), do Nirvana, contra a banda, ganhou um novo capítulo.

De acordo com documentos obtidos pela SPIN, o juiz Fernando M. Olguin, do Tribunal Distrital dos Estados Unidos na Califórnia indeferiu o caso “com licença para alterar”, na última segunda-feira (3).

A decisão foi tomada após o grupo de acusados, que inclui Dave Grohl, Krist Novoselic, Courtney Love (que representa Kurt Cobain), a Universal Music Group e o fotógrafo Kirk Weddle, responsável pelo registro em 1991, apresentar em Dezembro diversos motivos para que o processo fosse encerrado.

Processo contra o Nirvana

Os documentos informam que a equipe jurídica de Spencer Elden tinha até a última quinta-feira (30) para apresentar uma oposição ao pedido do espólio da lendária banda.

Porém, a equipe perdeu esse prazo e, agora, os representantes de Elden têm uma segunda chance até o dia 13 de Janeiro para isso, uma vez que o tribunal disse que “aceitará a moção dos réus e dará ao reclamante uma última oportunidade de alterar seu processo.”

Caso a equipe de Elden não cumpra esse prazo de 10 dias, ele não terá uma terceira oportunidade e o caso estará oficialmente encerrado. Se cumprir, o espólio do Nirvana tem até 27 de Janeiro para responder ao processo reformulado. Um trecho do documento diz:

A não apresentação em tempo hábil […] resultará na extinção desta ação sem prejuízo do descumprimento da ação penal e/ou do descumprimento de ordem judicial.

Na ação apresentada pelos representantes do Nirvana, os envolvidos apontam que Spencer vem se beneficiando e lucrando com a imagem há anos. Te mostramos mais alguns argumentos da banda aqui.

Elden apresentou o processo cerca de um mês antes do 30º aniversário do lendário álbum Nevermind, alegando ter sido vítima de “pornografia infantil” e dizendo que sua imagem nu na capa do álbum é um caso de exploração sexual infantil.

Com as alegações, o rapaz de 30 anos de idade está buscando uma indenização para “reparar os danos que sofreu e continuará sofrendo durante toda a vida”.

Compartilhar