John Lennon e Yoko Ono em Amsterdam, 1969
Foto via Wikimedia Commons
 

Quem já assistiu a The Beatles: Get Back, série documental dirigida por Peter Jackson para o Disney+ que estreou em 25 de Novembro, sabe que a presença de Yoko Ono durante os ensaios da banda era diária.

A companheira de John Lennon sempre estava lá, não importasse o dia, horário, nada. Como a fama de “destruidora” do grupo sempre lhe perseguiu, a gente já esperava por isso, mas o que muitos não imaginavam era que, apesar de estar a todo momento entre os integrantes, a participação de Yoko era completamente passiva.

Um artigo do Los Angeles Times observou justamente essa questão e foi compartilhado por ela no último sábado (27) no Twitter, rede social em que Ono acumula mais de 4,5 milhões de seguidores.

A manchete do jornal diz:

O documentário de Peter Jackson sobre os Beatles com quase 8 horas de duração refuta o papel de Yoko como destruidora da banda e nos lembra do que foi perdido quando Paul e John seguiram caminhos diferentes.

A avaliação do artigo é justificada pelo fato de Yoko aparecer nas imagens entretida com suas próprias tarefas durante os ensaios, alheia às situações de conflito entre a banda. O que é visto em cena contraria os boatos que existem sobre uma possível interferência dela na dinâmica do grupo, que teria levado os Beatles a se separarem em 1969.

Será que a redenção de Yoko finalmente chegou?

The Beatles: Get Back e registros históricos

The Beatles: Get Back foi criada a partir de um material de 56 horas de imagens inéditas e 140 horas de áudio das sessões de gravação do último disco lançado pelo lendário grupo, Let It Be (1970).

A produção de três partes que estreou nesta quinta (25) no Disney+ e não censurou linguagem inapropriada mostra cenas que nunca foram vistas dos integrantes da banda, inclusive dos músicos interagindo nos bastidores da criação das canções do famoso álbum.

Você pode clicar aqui para conferir a publicação original que foi compartilhada por Ono.

LEIA TAMBÉM: Beatles quase fizeram musical de “O Senhor dos Anéis” para o cinema, diz Peter Jackson