CHAMELEO
Foto por MAR+VIN
 

Mostrando sua transformação e sua versatilidade, o cantor independente paranaense CHAMELEO lançou recentemente o álbum ECDISE. O registro apresenta uma visão sensível e evidencia o enorme potência vocal do artista.

Marcado pela diversidade, o disco conta com 13 faixas em sua tracklist e traz grandes participações especiais. Pabllo Vittar, Carol Biazin, Johnny Hooker, Alice Caimmy, Konai e Number Teddie são os nomes que somam brilho a ECDISE.

Em sua sonoridade, o álbum reúne estilos variados que vão do pop ao rock. As letras abrem diálogos necessários, sobre aceitação e representatividade, ao expor histórias vividas por CHAMELEO:

Está sendo muito importante pra mim lançar esse álbum com tanta gente incrível da música. Eu pensei em cada parceria para que participassem da contagem da minha história, nessas 13 faixas de uma forma ainda mais especial.

O cantor, de 27 anos, conta que ter superado um câncer em 2018 é um dos principais motivadores na criação de ECDISE. “A cada muda de pele, surge uma nova oportunidade para crescer, amadurecer e regenerar”, reflete CHAMELEO:

Eu gostaria que o público enxergasse o CHAMELEO em todos os detalhes do álbum, minha história pessoal, de superação, de amores e relações, de representatividade. ECDISE é um espelho de quem fui e de quem sou hoje, é um autorretrato pensado com muito carinho para todo o mundo.

João Marcos Bargas

João Marcos Bargas
Foto por Luiza Gonçalves

Com uma carreira solo fresquíssima, João Marcos Bargas apresenta ao mundo o seu maravilhoso EP de estreia, Cantinho. A novidade chega pelo selo Rockambole e já se encontra completinha nas principais plataformas digitais.

Do meio do ano para cá, a voz de João Marcos vem ressoando pela cena indie paulista. Desde Junho, o cantor e compositor já havia lançado três singles, que agora integram o lançamento: “Me Deixa”, “Meu Canto” e “Não Era Você”. Cantinho nasce com 6 faixas autorais.

O disco contou com arranjos e instrumentos conduzidos pela banda PLUMA, produção de Felipe Martins e Pedro Henrique Robes e mix e master por Hugo Silva. Toda essa confluência imprimiu ao EP uma sonoridade única, que abraça a MPB, o neo jazz e o pop com muita delicadeza e sensibilidade.

Orgulhoso do trabalho, João Marcos Bargas celebra todo apoio e colaboração que pôde contar durante a elaboração e realização de Cantinho. “Ter uma galera que acredita em você, na sua arte, a ponto de se dedicar num projeto como esse dá um gás!“, afirma o músico. Ele completa:

Sempre fiz questão de não estar à frente das bandas que participei, queria estar incluído na formação durante as apresentações. Colocar no mundo um trabalho que leva meu nome, e com essa qualidade que advém de uma equipe enorme, não é algo que eu esperava.

Rafa Martins

Rafa Martins
Foto por Dário Matos

Guitarrista, vocalista e produtor musical, Rafa Martins é conhecido pelo som mais enérgico da Selvagens à Procura de Lei. Agora, em um mergulho pessoal, o músico cearense apresenta o seu disco solo de estreia, Paisagens.

Fruto do isolamento e de um processo de autoconhecimento, o álbum abre toda uma gama de sonoridades. O folk, o indie e o soft rock guiam o som mais orgânico do registro, onde as letras reflexivas se tornam potências de diálogo sobre as nossas vulnerabilidades.

O disco começou a ser gerado de modo intimista inspirado pelas múltiplas mudanças na vida de Rafa. Após anos de viagens e morando em São Paulo, ele se viu de volta ao Ceará com um olhar diferente, ao mesmo tempo saudoso e estrangeiro. Segundo o artista, mais do que um álbum, Paisagensé também um retrato da minha idade, do meu tempo, da minha vida“:

É um disco extremamente pessoal, são canções construídas na pandemia, dentro de um quarto, voz e violão, que com o tempo foram sendo lapidadas e ganhando outros instrumentos, mas que funcionam também quando estou apenas com o violão cantando pra alguém.

E tem a ver, sim, com a minha volta para Fortaleza depois de sete anos em São Paulo, e as suas diferenças enquanto cidades, mas também tem a ver com as imagens que permanecem na minha memória durante esses anos de capital paulista. Tem a praia e tem o concreto, tem o silêncio e tem o barulho, a chuva e o sol, a dor e o afeto.

O álbum foi gravado em seu home studio, em Fortaleza, e no Estúdio El Rocha, na capital paulista. O projeto teve apoio do produtor musical Paul Ralphes. Como um manual de uma memória afetiva musical, Paisagens vai de Simon and Garfunkel, George Harrison e David Gilmour até Belchior e Caetano Veloso com clima de uma viagem ao mar.