Glastonbury 2019
Foto Stock via Shutterstock
 

Um rio que atravessa o local do icônico festival de Glastonbury, no Reino Unido, apresenta níveis de drogas ilegais prejudicais ao meio ambiente.

De acordo com o The Guardian, cientistas apontaram em um estudo que a situação pode estar relacionada à parte do público que urina com frequência no chão durante o evento. O relatório indica que os níveis de drogas no rio Whitelake foram medidos antes, durante e depois da última edição presencial do Glastonbury, que ocorreu em 2019.

As concentrações de MDMA, conhecido como ecstasy, foram 104 vezes maior rio abaixo do que rio acima nas semanas após o festival; isso pode afetar negativamente o ciclo de vida das enguias europeias, uma espécie rara que habita o local.

Já a concentração de cocaína foi 40 vezes maior rio abaixo. Ainda que os níveis de cocaína não sejam considerados prejudiciais à vida aquática, o portal destaca que pesquisas anteriores mostram que os vestígios de cocaína nos rios podem tornar as enguias hiperativas, além de resultar na perda de massa muscular, comprometer as brânquias e ter alterações hormonais.

Um membro da Escola de Ciências Naturais da Universidade de Bangor, Dan Aberg, comentou sobre a proximidade do festival de Glastonbury com o rio que apresentou vestígios das drogas. Ele disse:

A contaminação por drogas ilícitas ao urinar em público acontece em todos os festivais de música. Infelizmente, a proximidade do festival de Glastonbury com um rio resulta em qualquer droga liberada pelos participantes do festival tendo pouco tempo para se degradar no solo antes de entrar no frágil ecossistema de água doce.

Glastonbury se pronuncia sobre vestígios de drogas em rio

Um porta-voz do aclamado festival do Reino Unido informou que a Agência Ambiental não relatou nenhuma preocupação após a edição de 2019, mas reforçou que proteger os rios e a vida selvagem é de “importância primordial” para o evento.

O responsável ainda disse que a equipe do Glastonbury ficaria feliz em trabalhar com os pesquisadores para entender seus resultados e recomendações.

Antes do festival, a organização do evento chegou a fazer uma campanha intitulada “Não faça xixi na terra”, com o intuito de aumentar a conscientização sobre os danos ambientais causados pela urina.

Comentando os resultados da recente pesquisa, o porta-voz destaca que pretende continuar desencorajando que as pessoas urinem fora dos banheiros e disse que o evento também não tolera o uso de drogas ilegais.

Os pesquisadores sugeriram algumas intervenções que podem ajudar a reduzir o impacto das drogas no meio ambiente, como a construção de áreas úmidas de tratamento que utilizam funções naturais, vegetação, solo e organismos vivos para fornecer tratamento adicional às águas residuais.

Devido à pandemia, o Glastonbury teve suas edições de 2020 e 2021 adiadas para 2022. Em Maio deste ano, o evento organizou uma transmissão online que contou com shows de Coldplay, Wolf Alice, HAIM, IDLES, Jorja Smith e muito mais.

   
Nosso site utiliza de cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Consulte nossa Política.
 
Compartilhar