Martinho da Vila é questionado sobre relação de escolas de samba e milícias e internet reage
Reprodução / Twitter
 

A participação de Martinho da Vila no programa Roda Viva, da TV Cultura, deu o que falar nas redes sociais após uma pergunta polêmica da jornalista Vera Magalhães.

Em um determinado momento da entrevista que foi exibida na última segunda-feira (16), a jornalista questionou o lendário sambista sobre uma suposta relação entre as escolas de samba com milícias do Rio de Janeiro. Visivelmente constrangido, Martinho sorriu e respondeu:

A escola de samba sempre foi ligada ao jogo do bicho; aliás, o jogo do bicho foi inventado em Vila Isabel, mas não tenho notícia da milícia dirigindo uma escola de samba, miliciano dirigindo escola de samba. Na Vila Isabel, por exemplo, não tem esse problema.

Em seguida, Vera insistiu no assunto citando uma suposta ligação entre Adriano da Nóbrega, miliciano que tinha relações com a família Bolsonaro e que foi morto em Fevereiro de 2020, com a Vila Isabel.

Martinho voltou a dizer que não sabia nada sobre o assunto e não teve notícias do “Adriano miliciano em nenhuma escola de samba, [não vi] nenhuma foto dele lá dentro”.

Martinho da Vila, samba e milícia

O assunto teve uma grande repercussão após o programa. Internautas questionaram o fato de muitas vezes durante entrevistas com artistas negros serem abordadas questões sociais que não necessariamente estão ligadas às suas obras, citando como exemplo a participação de Emicida no mesmo programa e uma pergunta sobre a ligação entre o Rap e o crime.

Chamando ainda mais atenção para a situação ocorrida no programa, Vera Magalhães citou o assunto em uma mensagem no Twitter, que mais tarde foi apagada pela jornalista. Ela disse:

Martinho da Vila desconversou quando questionei sobre a infiltração mais recente das escolas de samba do Rio pelas milícias. Isso é um tema tabu que os sambistas têm de enfrentar.

O comentário de Vera foi muito criticado por jornalistas, artistas e pesquisadores. Uma das pessoas que decidiu responder sua mensagem foi Tunico da Vila, filho de Martinho, que através da sua conta no Twitter escreveu:

Ele não desconversou… ele só não quis conversar porque realmente é um assunto desnecessário e desrespeitoso com ele… só isso… nada demais.

Com todo respeito Vera, respeite a história de meu pai. Porque ele simplesmente semeia no Brasil nossa Africanidade. Ele não semeia ódio, milícias e assassinatos como de Marielle. Ele é Martinho da Vila… ouviu bem? Respeite a história dele… respeite.

Confira no vídeo abaixo a resposta de Martinho da Vila e, em seguida, comentários sobre o assunto.

LEIA TAMBÉM: “Preto de alma branca”: Martinho da Vila detona líder da Fundação Palmares