Pussy Riot no clipe de Chaika
Foto: Reprodução/YouTube
 

Nadya Tolokonnikova, do Pussy Riot, está planejando suceder Vladimir Putin como presidente da Rússia em 2036.

Nadya e outros membros do coletivo ativista, que se posicionam contra Putin há mais de 10 anos, estão liderando este “projeto” como mais uma tentativa de tirar o político do poder do país. Atualmente, tanto Tolokonnikova quanto outros membros do grupo estão foragidos ou aguardando sentença pela participação em um protesto de apoio a Alexei Navalny, líder da oposição russa.

Na última quinta-feira (12), Nadya conversou com a Vice e falou sobre seus planos. No momento da entrevista, ela estava em um local secreto fazendo fotos para sua campanha. Ela explica (via Loudwire):

O que estou fazendo com minha arte é pensar no futuro. Essa ideia de concorrer à presidência em 2036 é apenas mais uma tentativa de abrir um pouco mais nossa imaginação. Por enquanto, não posso me candidatar à presidência porque sou uma criminosa condenada. Mesmo já cumprindo pena na prisão, ainda não estou autorizada a participar de nenhuma eleição.

Enquanto não pode se candidatar, Nadya continua oferecendo seu apoio a Alexei.

Sinto que a figura de Navalny é realmente importante aqui, porque ele mostra que senso de humor e coragem também [são] os dois principais instrumentos para lutar contra o regime de Putin e qualquer regime autocrata.

Confira o vídeo abaixo.

Nadya Tolokonnikova, do Pussy Riot