Gene Gallagher e Sonny Starkey
Fotos via The Sun
 

Você talvez se lembre que, no ano passado, falamos por aqui sobre como o filho de Liam Gallagher e o neto de Ringo Starr estavam envolvidos em uma confusão com a Justiça.

Os herdeiros de astros do Rock, respectivamente chamados Gene Gallagher e Sonny Starkey, tinham 17 anos de idade lá em Maio de 2019 quando, junto ao modelo Noah Ponte, criaram uma confusão em um Tesco, mercado bem comum no Reino Unido.

Foi na unidade de Hampstead, no Norte de Londres, que o trio teve sua atenção chamada pelo funcionário Hiran Rajput após uma baderna generalizada no local que culminou com Ponte tentando comprar bebidas alcoólicas após o horário permitido de venda; por lá, a lei impede a comercialização de álcool depois das 23h.

Irritado, Ponte teria chamado Rajput de “indiano maldito” e falado:

Volte para o lugar de onde você veio. Não te queremos aqui.

Justamente por isso, de acordo com a Consequence, o caso ganhou novas repercussões uma vez que os jovens agora vão ter que lidar com acusações de agressão agravada por racismo, além de tumulto e roubo. Os três já estão sob fiança e voltarão a ser julgados em 28 de Março de 2022.

Filho de Liam Gallagher e neto de Ringo Starr na Justiça

Como falamos na matéria citada acima, foi em Março do ano passado que o trio foi pela primeira vez ao tribunal. Na época, o julgamento foi marcado para 2021, mas acabou sendo adiado para o ano que vem.

Ainda naquela ocasião, Gallagher — que também é filho da cantora Nicole Appleton, do All Saints — apareceu ao lado de seu tio, Liam Howlett (The Prodigy). Foi ele que acabou acusado de agressão agravada por racismo, além de desordem.

Já Sonny Starkey contou com a presença do pai, Zak Starkey, que é baterista do The Who, e foi ele quem lidou com mais acusações: além de agredir Rajput, ele fez o mesmo com um colega de trabalho, Shvium Patel, mas nenhum das duas agressões foi considerada agravada por racismo. Ele também foi acusado por desordem.

Os três se declararam não culpados e a expectativa é de que o julgamento, em 2022, dure de sete a oito dias.