Bruce Dickinson do Iron Maiden em SP-23
Foto por Stephanie Hahne/TMDQA!
 

Tendo votado a favor no referendo sobre o Brexit que definiu a saída do Reino Unido da União Europeia em 2016, Bruce Dickinson parece ter mudado de ideia.

O vocalista do Iron Maiden criticou duramente o governo de Boris Johnson, que ainda não encontrou medidas para promover a livre circulação de músicos ingleses e suas equipes pela Europa após o Brexit.

À época do referendo, ele defendeu a hipótese de que se o Reino Unido deixasse a União Europeia tornaria o país “mais flexível”, o que beneficiaria também os europeus.

Mas, na real, o que acontece é que, depois da saída do Reino Unido da União Europeia, os artistas britânicos que quiserem fazer digressões na Europa terão de desembolsar quantias enormes para adquirirem vistos e autorizações de trabalho. Sendo assim, é criado um belo impedimento para boa parte dos músicos saírem do país.

Bruce Dickinson Contra o Brexit que Apoiou

“Nem me digam nada sobre a atitude do Governo para com a indústria do entretenimento. Somos provavelmente um dos principais produtos de exportação do Reino Unido e estamos aqui parados, sem poder fazer nada,” esbravejou Bruce Dickinson à Sky News.

Toda a gente sabe que eu votei a favor do Brexit. Mas a ideia era que, depois de sairmos [da União Europeia], criássemos uma relação sensata com as pessoas. Essa questão de não podermos tocar na Europa e dos europeus não poderem tocar aqui, e das autorizações de trabalho e isso tudo… resolvam isto!

LEIA MAIS: Iron Maiden: site revela quais músicas a banda nunca tocou ao vivo