Nirvana
Foto: Wikimedia Commons
 

Nevermind é, até hoje, um dos maiores discos da história tanto em questão de influência quanto em questão de vendas. Mas, se você perguntasse para Dave Grohl no passado se ele acreditava que o Nirvana faria esse sucesso todo, a resposta seria simples: “nem fodendo”.

Em uma entrevista recente com a Uncut (via Loudwire), o atual líder do Foo Fighters relembrou o período de lançamento do álbum em 1991 e como vários amigos já previam que a banda iria estourar — algo que o próprio Grohl considerava “implausível” e acreditava se tratar daquele apoio de amigos:

A gente falava, ‘O quê? Do que você está falando?’. A Donita [Sparks] do L7 veio e disse que nós seríamos enormes pra caralho. Meu velho amigo Barrett Jones, com quem eu cresci na Virginia, que era um músico e produtor também, ouviu ‘Lithium’ e disse que nós seríamos enormes pra caralho. Ele achava que ‘Lithium’ tinha que ser o primeiro single.

Todo mundo tinha essas opiniões grandiosas e eu pensei, ‘Bom, é legal que você diga isso, mas nem fodendo que isso vai acontecer, nunca.’

Ele explicou, também, como não se tratava de uma falta de confiança no próprio potencial mas sim de uma percepção de como a indústria da música funcionava na época:

Tudo soava muito bem: o timbre da bateria no Sound City, a produção do Butch Vig. A banda estava afiada e as canções do Kurt eram boas pra caralho. Nós faríamos um ou dois takes e talvez um overdub aqui e ali, o Kurt entrava e fazia o vocal e ficava totalmente claro e poderoso pra caralho, melódico e belo a ponto de você ter orgulho daquilo — e nós definitivamente tínhamos orgulho.

[Mas] você tem que se lembrar também do que era popular na época. Era Wilson Phillips, era Mariah Carey e a porra do Bon Jovi. Não era bandas como nós. Então parecia totalmente implausível que nós sequer chegaríamos perto desse tipo de sucesso.

Que bom que Dave estava errado, hein? Afinal de contas, um disco como Nevermind não poderia ter ficado preso no underground!

 
Compartilhar