Wolfgang e Eddie Van Halen
Fotos via Wikimedia Commons
 

Não é segredo para ninguém que o Van Halen sempre foi uma banda de família — afinal de contas, o grupo leva o sobrenome dos irmãos Eddie Alex, membros fundadores e únicos que fizeram parte de todas as formações.

Por isso, não foi exatamente uma surpresa quando o filho de Eddie, Wolfgang Van Halen, acabou entrando no lugar de Michael Anthony durante a turnê de reunião com o vocalista David Lee Roth em 2007. Ainda assim, muitos fãs ficaram céticos quanto à inclusão do jovem, que tocava baixo há 3 meses quando assumiu essa responsabilidade.

Em uma nova entrevista com a SPIN, no entanto, o músico revelou mais sobre esse processo e como tudo foi aceito por ele em amor ao seu próprio pai — inclusive o ódio que ele recebeu e, segundo ele, fazia sentido:

Olhando de maneira cínica e no papel, como um jovem que estava substituindo um membro de longa data, é tipo… ‘Sim, você deveria me odiar’. Tem muito mais nuances do que isso. Não é como se meu pai tivesse falado [ao Michael Anthony] tipo, ‘Vai se foder, sai daqui.’ Meu pai não estava passando por um bom momento, e o Mike estava tendo uma boa fase tocando com o [Sammy Hagar]. O Sam não estava na banda.

Com certeza, é um pouco arriscado e complicado, mas ele realmente não era parte disso mais. Eu entendo completamente por que ele não queria estar perto do meu pai quando ele estava desse jeito. Nunca foi como se eu tivesse ido até o meu pai e dito [fazendo voz de vilão de filme], ‘Eu deveria estar tocando baixo.’

Naquele momento, eu só queria manter meu pai vivo.

Na época com 16 anos, Wolfgang se empolgou com a nova função e é creditado como um dos grandes responsáveis pelo disco A Different Kind of Truth, lançado em 2012 depois que o jovem baixista foi atrás de gravações antigas e ajudou os membros de longa data a finalizarem tudo.

O trabalho acabou sendo o último de estúdio lançado por Eddie em vida, e o único dessa formação da banda.

LEIA TAMBÉM: Wolfgang Van Halen estreia carreira solo com música dedicada ao pai, Eddie