Polícia de Los Angeles dispara balas de borracha para dispersar multidão em show de punk
Reprodução / Instagram / bex.
 

Punk mesmo é se proteger contra a COVID-19 e um promotor de eventos na Flórida, nos EUA, resolveu deixar isso bem claro em uma atitude que, com o perdão da repetição, é pra lá de Punk.

Proibido de negar entrada para pessoas não-vacinadas por determinação do governador local, Ron DeSantis, o líder da Leadfoot Productions, Paul Williams, encontrou uma ótima forma de incentivar a vacinação.

Para um evento que acontece no dia 26 de Junho com as bandas Teenage Bottlerocket, MakeWarRutterkin na cidade de St. Petersburg, Williams estabeleceu uma “pequena” diferença de preços a favor dos que já se vacinaram: US$18 contra a bagatela de US$1000 para quem ainda não tomou o imunizante, que está disponível com sobras no pais norte-americano.

Falando sobre isso a uma rede de televisão local (via Consequence), o promotor explicou seu raciocínio:

Nós só estamos tentando fazer um show de maneira segura. E eles deveriam ir e se vacinar para protegerem a si mesmos e às suas famílias e suas comunidades. Eu também queria que [o evento] fosse uma campanha pela vacina para fazer com tirar do muro os que estão em cima do muro. Eu queria fazer com que os jovens que querem ir a shows recebessem suas vacinas.

Por enquanto, ainda não houve a compra de nenhum ingresso do valor mais alto, mas o promotor garante que vai respeitar a legislação local e tratar qualquer comprador “como todo mundo” caso alguém resolva aparecer por lá.

Williams também comentou que a resposta à sua iniciativa tem sido bastante positivo, mas relatou que tem recebido ameaças e ironizou dizendo que “aparentemente é muito ruim se importar com a segurança das pessoas”.

Complicado, né?! Mas que belíssima iniciativa!

 
Compartilhar