Tony Iommi e Eddie Van Halen
Fotos via Wikimedia Commons
 

No final dos anos 70, o lendário Ozzy Osbourne tinha uma missão: encontrar uma banda “menos memorável” do que o KISS, que tinha acabado de fazer turnê com o Black Sabbath, para abrir os próximos shows do grupo.

Como conta o UCR, o tecladista Don Airey, que tocou no disco Never Say Die! (1978), relembrou a situação dizendo que Ozzy procurava por uma “banda de barzinho de Los Angeles”. E bom, foi o que aconteceu, mas acontece que a tal banda era nada menos do que o Van Halen.

O saudoso Eddie Van Halen relembrou a situação em uma entrevista com a Guitar World em 2010:

Nós tocávamos praticamente todas as músicas do Black Sabbath. Eu costumava fazer a voz principal em todas as canções do Black Sabbath que fazíamos — coisas como ‘Into the Void’, ‘Paranoid’ e ‘Lord of This World’. Quando nós fizemos a turnê com o Black Sabbath em 1978, eles nos deram medo pra caralho.

Pois é: o plano de Osbourne não deu lá muito certo. O próprio Airey relembra que a reação das lendas do Metal ao ouvir “Eruption” pela primeira vez foi basicamente a mesma de todos nós, ficando de queixos caídos e simplesmente admirando o talento daquela verdadeira lenda da guitarra.

Continua após o vídeo

Van Halen em turnê abrindo para o Black Sabbath

Dessa confusão toda, surgiu uma bela amizade entre Eddie e Tony Iommi. O guitarrista do Sabbath foi um dos que mais celebrou o ícone após o seu falecimento em 2020, e relembrou justamente esse período em que eles se conheceram quando falou com a Rolling Stone:

Eu não lembro se ouvi o disco primeiro ou os vi ao vivo. Eu devo ter ouvido o disco, sabendo que eles estariam em turnê conosco. Mas meu Deus, ele era um guitarrista incrível. Eu nunca tinha ouvido nada como isso. Tipo, ‘Mas que diabos, o que é isso?’ Bom, ele foi o primeiro a fazer isso. Como uma banda, eles eram tão vivos e refrescantes. Eles eram tão bons.

Não demorou para que o Van Halen engatasse seu próprio sucesso, ainda mais depois de uma oportunidade dessas. Além da já citada “Eruption”, o à época recém-lançado primeiro disco da banda tinha outros sucessos como “Runnin’ with the Devil”, “You Really Got Me” e “Ain’t Talkin’ ‘Bout Love”, o que definitivamente poderia ofuscar um Sabbath que na época tentava superar inúmeros problemas internos.

Até mesmo Iommi observava que os caras eram “o completo oposto” dos metaleiros, já que havia muita energia e empolgação nas performances do jovem grupo. Ele conta também que os caras foram espertos e usaram a oportunidade para aprender algumas malandragens:

Eles nos assistiam praticamente toda noite da lateral do palco. E obviamente eles pegavam coisas nossas, vendo o que funcionava e o que fazia o público se empolgar.

O baixista Geezer Butler complementou sobre isso:

A única coisa que me irritava é que no começo da turnê eles pareciam ser uma banda realmente crua, mas conforme a turnê foi rolando, eles meio que começaram a roubar coisas nossas.

Eles eram todos rapazes muito bons. Então nós não nos incomodamos muito com isso, mas o Tony teve que ter umas palavrinhas com o Eddie, de uma forma meio ‘se comporte’.

Como falamos acima, tudo ficou mais do que resolvido — Iommi e Van Halen construíram uma amizade duradoura, certamente baseada também na troca de experiências entre duas verdadeiras lendas da música.

Mas uma coisa é fato: o plano de Ozzy de ter todos os olhares voltados para o Sabbath foi por água abaixo e, depois do primeiro dia de turnê, aquela “banda de barzinho” já não existia mais.

 
Compartilhar