Chris Cornell com o Audioslave em 2003
Foto via Shutterstock
 

Em 2017, Chris Cornell tirou sua própria vida enquanto estava em turnê fazendo o que mais amava na vida. Ou, pelo menos, essa é a versão oficial que chegou à imprensa.

A morte do vocalista chocou o mundo, mas também deixou aqueles mais próximos do músico bastante confusos. É o caso de Vicky Cornell, viúva de Chris, que falou no ano seguinte a um especial da TV dos EUA sobre essa situação e explicou como acreditava que as drogas prescritas que o marido vinha usando foram responsáveis por uma morte acidental:

Eu não acho que ele era capaz de tomar qualquer decisão devido ao nível de dano [devido às drogas]. Ele amava sua vida, ele nunca, jamais teria deixado esse mundo.

As palavras de Vicky foram ecoadas por Jessica Hulsey Nickel, presidente de um fórum que cuida de pessoas que lidam com o vício. Segundo ela, Chris não tinha como tomar a decisão de tirar sua própria vida no estado mental em que se encontrava devido às drogas.

Morte de Chris Cornell e uso de drogas

Vicky segue falando sobre como Chris começou a usar os medicamentos com o objetivo de aliviar uma dor, mas logo viu que os efeitos estavam deixando o músico em um estado deplorável. “Você parece meu avô andando”, comentou a viúva lembrando de alguns dos piores momentos.

O vocalista teria concordado em parar com a medicação, mas já estava viciado. Foi o que ela acredita que aconteceu na noite de sua morte: sozinho e sem ajuda, Cornell não conseguiu resistir e exagerou na medicação. Por isso, ela chegou a processar o médico do cantor, em uma tentativa de provar que ele não cometeu suicídio.

Esse processo chegou ao fim há pouco tempo com um acordo extrajudicial, cujos detalhes não foram revelados. Ainda assim, a dor da perda de um dos maiores talentos da música — sem contar de um pai, marido e amigo, para aqueles próximos — não se vai e, por isso, Vicky deixou uma mensagem para aqueles que lutam com o vício:

Eu acho que há um estigma tão grande ao redor do vício e eu acho que é hora de nos afastarmos disso. E o meu marido era o mais distante possível de ser um rockstar drogado; ele simplesmente não era. Ele era o melhor marido, o melhor pai. Eu perdi a minha alma gêmea e o amor da minha vida.

Complicado. Você pode ver a reportagem inteira, em inglês, pelo vídeo logo abaixo.