Taylor Hawkins em Curitiba, 2018
Foto por Aline Krupkoski
 

Até os nossos ídolos têm ídolos e Taylor Hawkins definitivamente não é uma exceção.

O baterista do Foo Fighters participou recentemente de um especial da Classic Rock falando sobre o seu amor pelo Rush, em especial pelo disco Permanent Waves. Ele já começa dizendo que tinha que “esconder” essa paixão inicialmente, pois na sua adolescência, nos anos 80, “se você tivesse cabelo comprido e gostasse de Hard Rock, você era definitivamente um bobo”.

O que mudou tudo isso, para ele, foi a chegada de “The Spirit of Radio”. Um dos maiores sucessos da carreira das lendas do Prog, a canção mexeu com Hawkins:

Foi um enorme sucesso na rádio e eu amo que ela não tem vergonha de ser uma ótima, ótima música Pop. Eu absolutamente ainda não entendo a introdução de jeito nenhum, a fórmula do compasso ou como é contado. Eu já tentei entendê-la reduzindo a velocidade do som, mas simplesmente não está nos parâmetros das coisas que eu faço.

E ainda assim eu consigo ligar qualquer estação de rádio de Classic Rock e ouvir ‘The Spirit of Radio’. Quantas bandas podem fazer algo fodido e interessante assim e ao mesmo tempo deixá-la totalmente entendível para um não-músico? O Rush mostrou que eles poderiam foder a música e ainda fazer ótimas canções Pop!

Taylor Hawkins, Foo Fighters e Rush

Ainda assim, Taylor garante que sua canção preferida de Permanent Waves é “Natural Science”, que remete bastante ao Rush das antigas. Ele diz que a faixa “tem uma bateria insana no meio e é meio que complicada mas ao mesmo tempo acessível pra mim”.

Nem tudo são flores, no entanto, e o baterista tem uma reclamação a fazer sobre o disco que ama de paixão:

Eu tenho que admitir que fico um pouco decepcionado que a tradicional logo do homem pelado não apareceu na capa. Isso é algo que eles precisam resolver no futuro, na minha opinião. Tragam a bunda do homem pelado de volta!

LEIA TAMBÉM: Foo Fighters presta tributo a Neil Peart (Rush): “tinha as mãos de Deus”

 
Compartilhar