Kurt Cobain no Nirvana Live And Loud
 

Em 05 de Abril de 1994, o lendário Kurt Cobain tirou a sua própria vida em uma residência onde vivia em Seattle, nos Estados Unidos.

A cidade que havia se tornado o berço do Grunge era também amplamente conectada às origens do líder do Nirvana e foi ali que o autor de “Smells Like Teen Spirit” usou uma arma para disparar contra a própria cabeça e partir, cedo demais, aos 27 anos de idade.

Essa é a versão oficial dos fatos, revelada por autoridades que estiveram no local e investigaram o caso, mas durante longos anos houve muitas pessoas que questionaram o que realmente teria acontecido com Kurt Cobain.

Entre as principais teorias “alternativas”, está o sentimento de que Kurt poderia ter sido assassinado, e mesmo com todas as provas apontando para o suicídio, até documentários foram feitos a respeito de quem poderia ter matado um dos maiores nomes da história da música.

FBI e Kurt Cobain

Pois agora, curiosamente 27 anos (!) depois do fato em si, o FBI resolveu publicar um arquivo de 10 páginas contendo informações a respeito da curta investigação que conduziu a respeito da morte de Kurt Cobain.

Como aponta a revista Rolling Stone, o órgão tem o costume de disponibilizar documentos a respeito das investigações de grandes nomes periodicamente, e o fez há alguns dias com o músico sem muito alarde.

Infelizmente não há muito conteúdo nas poucas páginas do documento que foram analisadas, mas é possível perceber que o rápido envolvimento do FBI tem como pontos centrais duas cartas que dizem basicamente a mesma coisa: Kurt Cobain teria sido assassinado.

As cartas foram enviadas ao FBI por pessoas que tiveram as suas identidades preservadas, sendo que uma delas, de Setembro de 2003, lê:

Milhões de fãs ao redor do mundo gostariam de ver as inconsistências em torno da sua morte serem resolvidas de uma vez por todas.

Essa carta ainda cita o diretor Nick Broomfield, responsável pelo documentário Kurt & Courtney, que põe dúvidas em relação ao comportamento de Courtney Love, viúva de Cobain.

Cartas Para o FBI

A outra carta, que segue a mesma linha, tem passagens como essa abaixo:

A polícia responsável pelo caso nunca levou a sério a investigação como um assassinato, e desde o início insistiu que o que aconteceu foi suicídio. Isso me incomoda porque o assassino ainda está à solta.

Como é comum em casos assim, os “investigadores por conta própria” usam informações divulgadas na mídia e/ou fabricadas, e esse especificamente cita que “não há impressões digitais na arma que ele supostamente usou para se matar”, ainda afirmando que a carta de despedida de Kurt “não dizia nada sobre a vontade de se matar, a não ser em uma parte ao final que foi adicionada depois, com outra letra”.

Resposta

Além desses pedidos de investigação por parte do FBI, o documento também mostra as respostas dos oficiais aos pedidos.

Como a questão dizia respeito à polícia local e não a um órgão federal, as diversas respostas enviadas por agentes do FBI contam com mensagens similares como essa abaixo:

Nós apreciamos a sua preocupação a respeito da possibilidade do Sr. Cobain ter sido vítima de homicídio. Entretanto, a maioria das investigações de homicídio geralmente se enquadram na jurisdição das autoridades municipais ou estaduais.

Os responsáveis ainda afirmam que “não foi possível identificar qualquer tipo de violação da lei federal dentro da jurisdição investigativa do FBI.”

Sendo assim, a agência não seguiu adiante com qualquer tipo de investigação.

Músicos Sob Suspeita

Vale lembrar que o FBI manteve arquivos a respeito de diversos músicos lendários ao longo da história.

O assassinato do rapper Notorious B.I.G., por exemplo, tem um relatório de mais de 300 páginas, enquanto a banda The Monkees ganhou uma investigação por conta de “mensagens subliminares contra os EUA” que seriam veiculadas por eles em vídeo nos seus shows.

Membros do Bee Gees também tiveram suas vidas investigadas pelo FBI, bem como o lendário John Denver, que teria recebido ameaças de mortes em 1979.

Por fim, vale lembrar que há alguns anos a polícia de Seattle disponibilizou fotos tiradas no local onde o corpo de Kurt Cobain foi encontrado, justamente com a ideia de que teorias da conspiração fossem derrubadas.

As fortes imagens mostram o corpo do guitarrista e vocalista do Nirvana, e na mesma época houve a liberação de outros cliques, como registros da arma utilizada por ele.

Será que agora os defensores de outras teorias não-oficiais irão acreditar no que parece estar mais que claro?

 
Compartilhar