Marilyn Manson e Ashley Morgan Smithline
Fotos via Wikimedia Commons e Reprodução/People
 

Por mais inacreditável que pareça, continuam surgindo alegações pesadíssimas de abuso contra Marilyn Manson. A atriz Ashley Morgan Smithline é a 15ª mulher a se pronunciar com relatos fortes de situações vividas com o músico, e falou em detalhes sobre as experiências traumáticas em entrevista recente com a People (via Metal Injection).

De acordo com Ashley, seu relacionamento de dois anos com Manson teve diversas situações abusivas. Entre alguns dos terríveis exemplos estão agressões físicas “incontáveis vezes”, a realização forçada de um “pacto de sangue”, a existência de um “quarto da garota má” (uma sala de vidro e à prova de som) no qual ela foi trancada mais de 100 vezes e até uma ocasião em que a atriz revela ter sido estuprada enquanto dormia.

Esse caso aconteceu, segundo ela, logo depois do início do relacionamento quando os dois filmavam um longa juntos. Smithline conta que sofreu agressões durante as filmagens e, eventualmente, já morando com Marilyn, foi acordada uma noite com o músico realizando penetração enquanto suas mãos estavam amarradas e ouviu que “não se pode estuprar alguém que você ama”.

Entre as agressões, Smithline relata que Manson lhe “bateu, chicoteou, cortou com uma faca gravada com uma suástica e enfiou seu punho em sua boca durante o sexo”, além de ter quebrado seu nariz quando ela se movia para escapar de uma tentativa de estupro e de ter tentado atirar uma faca no seu rosto, errando por pouco.

O pacto de sangue, segundo a atriz, era uma espécie de prova de amor no pensamento de Manson:

Ele cortava a minha barriga e aí bebia o meu sangue. Então, ele me fazia beber o dele. Quanto mais eu o deixava me machucar, mais eu o amava e mais eu estava me provando para ele.

O cantor negou, por meio de representante, todas as acusações e disse que o relacionamento entre os dois durou apenas uma semana. A People teve acesso a e-mails que comprovam a existência de uma relação por mais de dois anos, e a atriz também exibiu as cicatrizes de seus traumas durante a conversa.

Hoje, ela conta que se recupera do estresse pós-traumático e encontrou ajuda ao procurar as sobreviventes dos abusos de Marilyn. Você pode conferir sua história completa no especial da People, disponível em vídeo (em inglês) ao final da matéria.

Abusos de Marilyn Manson

Ashley Morgan Smithline é mais uma entre as mulheres que resolveram se pronunciar sobre o que sofreram com Manson depois que a atriz Evan Rachel Wood, que terminou seu noivado com Manson em 2010, foi a primeira a falar abertamente sobre seu relacionamento com o músico em 1º de Fevereiro de 2021.

Em sua publicação original no Instagram, Evan revelou que passou por uma “lavagem cerebral” e foi “manipulada para ser submissa”. Além disso, definiu Marilyn como um homem perigoso e declarou estar ao lado “das várias vítimas que não se silenciarão mais”.

Ela ainda compartilhou textos de outras mulheres como uma fotógrafa que trabalhou com Manson e relatou que ele aplica até mesmo “táticas de tortura” para controlar as pessoas. Outra ex-noiva do cantor, Rose McGowanendossou todas as falas de Wood, mas uma terceira (Dita Von Teesedisse que não sofreu nada do tipo.

Ele negou todas as acusações e citou que seus relacionamentos íntimos sempre foram “inteiramente consensuais”. A cantora Phoebe Bridgers, por outro lado, disse ter ido na casa de Marilyn quando era adolescente e alegou que o cantor falava sobre um “quarto do estupro” em sua residência.

Após a denúncia, a gravadora Loma Vista se manifestou e anunciou o encerramento do contrato com o artista para a promoção do seu disco atual e que também não pretende realizar projetos futuros com ele, e você pode ler o comunicado aqui.

Seu empresário de 25 anos também encerrou relações, e Marilyn ainda perdeu papéis em duas séries que participava. Agora, o músico enfrenta um processo de outra de suas vítimas, Esmé Bianco, que o acusa de estupro e tráfico humano.