Último show do Black Sabbath
 

Tommy Clufetos, baterista que tocou na última turnê do Black Sabbath e já se apresentou ao lado de lendas como Rob Zombie Alice Cooper, tem fortes palavras sobre o estado atual do Rock.

Segundo ele, as bandas que trazem um revival do Rock das antigas não conseguem ter a mesma energia do passado. O motivo? A falta de “perigo” na música pesada atualmente, algo que Clufetos explicou melhor falando com a Heavy New York (via Blabbermouth):

Eu ouvi algumas dessas bandas, [e] eu ouço uma coisa retrô, mas não tem a mesma sensação do que a música antiga pra mim. Eu acho que as bandas eram mais roqueiras antigamente. Falta aquele fator do suor pra mim. Digo, ninguém ganha daqueles caras do começo. Quando você vê o Little Richard, e ele está mandando ver; há simplesmente uma paixão diferente que esses caras tinham. E eu acho que nos anos 70, os caras carregavam essa energia e havia essa competição e essa luta entre bandas e competição que rolava. Agora tudo é meio ‘bonzinho’.

Talvez seja essa a questão — tudo é tão bonzinho e amigável. Eu gosto de um pouco de perigo. Não há muito perigo nessas novas bandas. Eu acho que é disso que sinto falta — não é perigoso. O bom Rock and Roll tem que ser uma coisa perigosa.

Quando eu subo ali [no palco], eu quero chutar as bundas de todo mundo. Eu não estou ali para ser amigo deles. […] Quando eu surgi e tocava em boates e havia outras bandas, eu ia chutar as bundas deles. Quando eu subia no palco com outros bateristas, mesmo se eu estivesse na banda de abertura e havia um artista principal, eu queria chutar a bunda do baterista. O que não é algo ruim. Não é falta de respeito. É, ‘Fique ligado, aqui vou eu.’ E eu toco assim. E eu toquei com caras mais novos; eles não tocam assim, os caras das antigas tocam assim.

E aí, concorda com a fala do cara? Você pode ver esse papo na íntegra pelo vídeo abaixo.

 
 
Compartilhar