Jason Newsted
Reprodução/Youtube
 

Marcado por toda a sua carreira como baixista do Metallica e por ter se demitido da maior banda de Metal do mundo, Jason Newsted abriu o jogo em uma entrevista de 2020 sobre a saída do grupo lá em 2003.

Ele citou uma série de cirurgias em seus ombros que dificultaram e muito a sua vida como baixista como uma das justificativas, e explicou melhor a situação (via Blabbermouth):

As cirurgias meio que me complicaram. Eu continuei fazendo música da melhor maneira que eu podia, e eu nunca fui capaz de voltar totalmente; eu estou, tipo, 90% completo. Eu não consigo tocar todas as coisas do Metallica; eu não poderia mais fazer os shows daquele jeito.

E conforme o tempo passou nos primeiros anos, [eu fiquei me perguntando] ‘E se? E se? E se? E se? E se você tivesse ficado? E se? E se?’, esse tipo de coisa. E todo mundo — com a exceção talvez da minha irmã, minha esposa e meu pai e meus irmãos e minha mãe; eles [me falavam], ‘Você faz o que quiser.’ Eles estavam perto o suficiente de mim. Eles iam a shows suficientes. Eles viam o suficiente das coisas por trás das câmeras. Eles viam o que acontecia. E eles ficaram, tipo, ‘A gente entende. Você faz o que quiser. Estaremos aqui pra você.’ Mas todo o resto das pessoas, quer elas me conhecessem, ou me chamassem de Jason de qualquer forma porque sabiam meu nome, mas eu não as conhecia, há milhões dessas pessoas — milhões dessas pessoas — e todas elas tinham algo a dizer sobre isso.

‘Como diabos você pode fazer isso? Você está jogando fora dezenas de milhões de dólares? Por que você faria isso? Por que você sairia da maior e melhor banda de todos os tempos? O que você está pensando?’

Vocês não sabem onde eu estive. Mas eu levei um tempo para convencê-los. Então, enquanto eu pensava sobre esse ‘E se? E se? E se?’, tudo aconteceu exatamente como deveria. Eu não estou dizendo que eu poderia ter planejado isso ou algo assim. Então levou muitos anos para isso passar, o que é bem legal, e agora eu tenho 19 anos. Eu já tive umas duas ou três vidas desde que eu estava naquela grande coisa que me deu tudo isso.

Ainda no mesmo papo, Jason deixou muito claro que nunca vai falar nada de ruim sobre seus ex-companheiros de banda. Mais do que isso, explicitou que não deixou espaço para arrependimentos e finalmente está em paz com sua decisão:

Eu nunca vou falar uma palavra ruim sobre qualquer coisa disso ou sobre os caras; eles me deram minha chance e minha vida, e eu trabalhei o mais duro que pude. Eu estava sempre com os fãs. Algo aqui [aponta para a parte de trás da cabeça] me disse que eu deveria passar todos os minutos que pudesse com as pessoas porque não seria sempre assim. E então eu o fiz; essa era a minha coisa.

Eles me zoavam por quanto tempo eu passava com os fãs. Mesmo — eles me ridicularizavam por quanto tempo eu passava com os fãs. E agora eu não mudaria UMA coisa. Eu tinha minhas dúvidas por um certo tempo, mas agora eu sei. A música que estou tocando com o [novo projeto acústico] The Chophouse Band é o que eu consigo tocar. E às vezes fica perverso, às vezes fica legal e feio, e todas essas coisas, mas eu sei que eu posso tocar isso pra sempre.

Essa música e as [coisas] do Johnny Cash eu consigo tocar sentado bem aqui ou deitado ali ou dançando ali. Eu ainda consigo tocar músicas. Eu sei que é um fato que eu não consigo tocar da forma que eu gostaria de tocar com o Voivod, Metallica — qualquer uma dessas bandas. Eu não tenho físico pra isso mais. Eu só faço seis shows por ano [com o The Chophouse Band], e eu os faço do jeito certo.

Você pode assistir a um trecho da conversa, em inglês, pelo vídeo abaixo. Para ver a matéria original na íntegra, clique aqui.

 
 
Compartilhar