Ator Morto
Foto por Denis Carrion
 

A banda Ator Morto é uma das favoritas aqui da casa.

Nos últimos anos, o grupo liderado por Capilé (Sugar Kane, Water Rats) lançou grandes canções que mostraram uma vontade imensa de fazer o diferente e não se contentar com zonas de conforto.

Dessa forma, a banda foi do Hardcore ao Pop Rock em um mesmo disco, o ótimo Amor Torto, que apareceu na lista com os 50 Melhores Discos Nacionais de 2019 no TMDQA!

Lançamento do Ator Morto

Pois bem, agora uma nova fase se inaugura na carreira da banda e ela vem com mais um lado que ainda não conhecíamos: o rock psicodélico.

No dia 23 de Abril, mais conhecido como amanhã, o grupo brasileiro irá lançar um novo disco chamado ExtraCoExistencial e ele inaugura a parceria do selo brasileiro Forever Vacation com a gravadora Hotel Records, sediada no Chile e com unidades no México e na Espanha.

Lançando títulos de indie, garage, rock, pop e, é claro, música psicodélica, a Hotel Records torna-se então uma parceira da FVR e esse primeiro gostinho já vem em grande estilo.

Para antecipar o que vem por aí, o TMDQA! traz com exclusividade a estreia do clipe de “Bicho Torto”, e você pode assistir ao resultado final logo abaixo.

Ao falar sobre o novo disco, o guitarrista e vocalista Alexandre Capilé afirmou:

Em ExtraCoExistencial, a banda assume muito mais influências da música brasileira. Essa busca foi natural, pois sentíamos que essa incorporação tinha muito a enriquecer no som. Também foi um disco gravado durante a pandemia e no começo do lockdown, a sensação de dúvida sobre o futuro pairava no ar e vários trechos do álbum refletem esse momento.

O trabalho anterior foi todo gravado por mim e Carlos, dessa vez Pedro assume muito bem seu papel na banda e contribui com muita personalidade na sonoridade final.

Além de Capilé, o Ator Morto ainda é formado por Carlos Fermentão (voz e bateria), Pedro Lipatin (guitarra e bv) e Rafael Panegalli (baixo e bv).

Diverso, o álbum terá canções voltadas ao funk rock dos Anos 90 como “Livre” e “Paraguai”, que têm participações de Sebastian (Sebastianismos, Francisco el Hombre), sons do garage punk e até uma balada na forma de “Desencanto”, parceria de Capilé com a sua namorada, Caroline Carbonari.

Na sequência você pode ver um faixa a faixa escrito por Capilé e apertar o play para se divertir com o novo clipe da Ator Morto.

Divirta-se!

Faixa a Faixa

Ator Morto - ExtraCoExistencial

01 – “Livre”

Abrindo o álbum, temos a energética “Livre”, que remete tanto ao garage/lo-fi atual como tem elementos funk/grunge dos 90, de bandas como Red Hot Chilly Peppers, Janes Addiction, entre outras. A música conta com a participação de Sebastian (Sebastianismos/Francisco El hombre) nas percussões.

02 – “Paraguai”

Podemos dizer que é a primeira música no disco que mostra sinais de mudança e amadurecimento musical da banda. Como “Livre”, remete muito ao funk rock dos 90s com influência direta da música brasileira. A história narra o trajeto de algo que vem do Paraguai até São Paulo, substância que altera o desejo do interlocutor, o obrigando sempre a ceder. “Paraguai” conta também com a participação de Sebastian (Sebastianismos/Francisco El hombre) nas percussões.

03 – “Bicho Morto”

Uma bela canção que remete ao rock psicodélico brasileiros dos anos 60/70. Forte influência de Beatles, Mutantes e vocalizações muito melódicas. Sua letra fala sobre a situação atual que vivemos não só no Brasil, onde é difícil ter esperanças devido ao cenário atual. “Bicho Morto” é o single de lançamento do álbum e representa muito bem a mudança da banda para uma identidade mais brasileira do que gringa, como era no disco anterior.

04 – “Extracoexistencial”

Garage punk que narra um amor além das fronteiras da realidade, vivido somente no mundo dos sonhos, paralelo ao tempo real e perfeito como é. Uma vida em apenas alguns segundos na nossa mente, o que é real? A música dá nome ao álbum. Esta canção relembra muito o último lançamento da banda, “Disfarçar”, com a pegada bem garage.

05 – “Letras Traduzidas”

Segundo a banda, a canção é uma homenagem a todas influências que tiveram. Narrando de forma bem direta o que aconteceu até chegarem onde estão. De forma animada e na pegada de músicas como “Viciado” (do álbum Amor Torto) e “Não Consigo Não” (single), ela remete ao lado do rock clássico com letras debochadas já conhecidas da banda.

06 – “Tá Esquisito”

Nesse som, a banda flerta com o indie rock 2000, porém a construção das melodias e letras tem muito a ver com a métrica do samba rock nacional. Nós tentamos não copiar um gangueiro inglês, como é instintivamente natural para esse tipo de som. Buscamos misturar a pegada dançante da música com a poesia brasileira. Sua letra narra um relacionamento virtual em tempos de isolamento social. Onde a presença é somente no 2D e apesar de estar tudo esquisito, a pessoa acha que vai melhorar.

07 – “Esqueci”

Sabe quando você está numa conversa e tem algo muito legal pra dizer e esquece? Você não está só e essa música te representa. Fala sobre esse momentos que tinha algo pra dizer e não lembra, inclusive a própria letra da música. Destaque para as vozes muito bem aplicadas em aberturas de harmonia. Um ponto forte nesse disco é a evolução harmônica da banda. É a música mais “diferente” do álbum, lembrando os primeiros trabalhos solo do Paul McCartney.

08 – “Brasil Tortura”

Talvez a música mais experimental da obra, possui uma estrutura diferente das outras. Uma pegada dançante e com tempos quebrados, ela narra a dor de um brasileiro que descobre que lutar pelo seu país pode o levar à tortura. Uma tortura em nome do cidadão de bem, que ao contrário do que o nome diz, usa a falsa benevolência para justificar a violência.

09 – “Giblá Blá Blá”

Uma punk cru onde os integrantes trocam seus instrumentos, em busca da sonoridade mais crua, onde a letra repete blá blá blá e segue o instinto selvagem do som. Nela, Pedro assume a bateria; Capilé, o baixo e voz e Caique, a guitarra.

10 – “Desencanto”

Como já é de praxe para a banda, essa é a balada do disco. Referência total a John Lennon, Oasis e Ty Segall na parte musical, a letra aborda a triste decisão de escolher perder para crescer. A letra é escrita por Capilé e sua companheira Carol Carbonari, e retrata o triste desencadear de um relacionamento sem saída. Ela encerra o disco numa bela balada.

 

FICHA TÉCNICA

Álbum ExtraCoExistencial

Gravado, mixado e masterizado por Alexandre Capilé, que assina também, em parceria com Carlos Fermentão, a produção do álbum. Tudo feito no Estúdio Costella (São Paulo – Brasil), entre maio e junho de 2020, durante a pandemia.

Arte da capa por Giovanna Zambianchi.

Clipe “Bicho Morto”

Direção: Ator Morto
Direção de fotografia: Caroline Carbonari
Edição: Alexandre Capilé
Cor: Denis Carrion

 
 
Compartilhar