Alex Skolnick (Testament)
Foto via Wikimedia Commons
 

Infelizmente, o negacionismo com relação à vacina da COVID-19 ainda está muito presente. Mas, no que depender de Alex Skolnick — líder do Testament e verdadeira lenda viva do Heavy Metal —, as pessoas que não quiserem tomar o imunizante vão ficar isoladas da comunidade musical.

Em entrevista ao Make Weird Music (via Blabbermouth), Skolnick defendeu fortemente a existência de um “passaporte da vacina”. A ideia é basicamente criar um sistema que só permita a entrada de pessoas vacinadas em boates e casas de shows, reduzindo bastante o potencial número de vítimas.

Além disso, ele explica que o certo seria operar em capacidade limitada inicialmente e complementa sua resposta:

Para ir a certos países, nós precisamos tomar uma vacina contra a febre amarela, e nós carregamos esse cartão que é emitido pela OMS que é uma prova de vacinação. Qual a diferença? Nós fazemos isso há anos. Nós não pensamos de outra forma. Nós não vamos arriscar deixar outra pessoa doente. Então por que haveria um problema aqui? E aí, quando as pessoas reclamam da vacina — ‘Eu não sei o que tem nela. Eu tenho suspeitas…’ Bom, você fica com suspeitas [em relação à] vacina da polio? Porque eu acho que todo mundo toma essa. Eu acho que você não sai do hospital sem tomar certas vacinas.

Eu só fico embasbacado com como as pessoas não estão cientes disso. Há [vacinas de] sarampo, caxumba, polio… Há vacinas que tomamos há anos, e é por isso que não estamos pegando sarampo ou caxumba, ou o porquê de não estarmos sendo forçados a não poder andar por conta da polio — porque tomamos essas vacinas. E as mesmas comunidades médicas e científicas que estão por trás dessas vacinas estão por trás das vacinas de agora.

Minha paciência está acabando para esse tipo [de gente].

A nossa também, Alex. A nossa também…