Décio Criz e Fabrício Nobre são os convidados do primeiro episódio do Fast Forward
 

Por Natalia Salvador

Você já parou para pensar em como artistas da terceira idade trabalham seu espaço na música nos dias de hoje? De fato, existem muitos artistas consagrados que possuem carreiras estabilizadas e não enfrentam dificuldades para administrar suas carreiras e obras. Mas, por outro lado, existem também aqueles que são independentes e muitas vezes precisam redobrar os esforços para ganharem espaço.

No episódio de estreia da 4ª temporada, o Podcast Fast Forward debateu o tema com Décio Cruz, Gerente de A&R da editora Warner Chappell Music Brasil, e Fabrício Nobre, fundador do Festival Bananada, consultor artístico de programação do Grupo Vegas, A&R da vertical de música da Twitch BR e sócio da Braba Música, responsável pelo agenciamento de artistas como João Donato, Tulipa Ruiz, entre outros. 

Festivais alternativos estavam abrindo as portas para artistas da terceira idade

Antes do isolamento social necessário em decorrência da pandemia do COVID-19 cancelar todos os eventos programados como shows e festivais, alguns line-ups já estavam fazendo um movimento para integrar diferentes tipos de artistas, principalmente os mais alternativos. Artistas mais velhos que, de alguma forma, conseguem atingir o público jovem – foco desses festivais -, tiveram um pouco mais de oportunidade. Mas isso não é tudo.  

De acordo com os convidados, o público mais velho nem sempre vai ter um filho ou neto que crie playlists e auxilie no consumo de música 100% digital. Por esse lado, a pandemia abriu uma porta muito grande quando chamou atenção para as lives. “Artistas mais velhos conseguiram encontrar o público deles por meio desse novo ponto de contato”, afirmou Fabrício. No entanto, além da febre das lives ter diminuído o ritmo, para esses espaços os números são muitas vezes o grande destaque e, para muitos desses artistas, essa não é uma realidade.   

As plataformas de conteúdo e de streaming são importantes aliadas para esses artistas

Sem dúvidas que as plataformas de conteúdo, sejam elas digitais ou não, são as grandes aliadas desses artistas. O próprio TikTok, por exemplo, que vem mostrando o tamanho de sua influência nos charts pelo mundo todo, reativou uma canção de 1977 da banda Fleetwood Mac, em um de seus challenges. Alguns streamings de música também têm trabalhado catálogos em playlists, além dos filmes disponíveis nas plataformas de vídeo para que esses artistas sejam conhecidos pelas novas gerações. 

Além disso, o grande destaque atual é o programa de televisão The Voice +, onde todos os participantes possuem 60 anos ou mais. Para os convidados, além da visibilidade para o assunto, o reality também chama atenção para as novas gerações que não reconhecem a história e muitos grandes hits que já passaram pelas telinhas e rádios brasileiras.  

Para os convidados, os artistas da terceira idade precisam, além do respeito da indústria e dos ouvintes, de atenção e suporte, para que possam usufruir da melhor idade sem precisarem recorrer a medidas extremas como leiloar artigos pessoais a fim de manter as contas em dia. Para essas e outras reflexões apontadas por Décio Cruz e Fabrício Nobre, ouça o episódio na íntegra.