O Punk Rock e o Hardcore levaram várias bandas a trilharem caminhos de muita importância na história da música mundial lançando alguns discos que mudaram pra sempre os rumos da cultura sonora.

Como em todos os estilos, é normal que vários integrantes das bandas busquem em algum momento se aventurar em outras possibilidades lançando materiais em carreira solo.

Bandas como Ramones, Bad Religion, Green Day, Rancid, Against Me! e Hot Water Music passaram por isso com os seus respectivos vocalistas lançados discos solos, alguns no mesmo estilo de suas bandas principais e outros buscando outras possibilidades.

Listamos 7 discos de vocalistas desses grandes nomes do punk rock e do hardrcore mundial que valem ser ouvidos com atenção.

1 – Joey Ramone – Don’t Worry About Me – 2002

O eterno vocalista dos Ramones e uma das maiores lendas do Punk mundial nunca alimentou uma carreira solo enquanto sua banda esteve na ativa mas quase um ano depois da sua morte, foi lançado de forma póstuma o seu primeiro disco solo.

Joey Ramone não fugiu de suas raízes e nos deixou de presente pérolas como a versão de “What a Wonderful World”, de Louis Armstrong, que conta com a participação do baterista Marky Ramone e tem um ótimo clipe.

Outros bons momentos estão presentes como “Stop Thinking About It”, “Maria Bartimoro”, “Spirit in My House” e “1969”, dos Stooges.

O disco foi produzido por outro grande parceiro de Joey nos Ramones, o guitarrista e produtor Daniel Rey.

Veja o clipe e ouça o disco na íntegra abaixo.

2 – Billie Joe Armstrong – No Fun Mondays – 2020

Um dos mais bem sucedidos nomes na música, Billie Joe ocupou seu tempo livre na pandemia lançando uma série de covers no estilo que o consagrou com o Green Day.

Os vídeos que começaram como uma série no Instagram que era atualizada às segundas-feiras foram reunidos e lançados como um álbum trazendo faixas de nomes como Prince, Johnny Thunders e Johh Lennon com a clássica “Gimme Some Truth”, um dos grandes destaques do álbum.

Outro grande momento é a versão da inesquecível “That Thing You Do!” do filme original de mesmo nome com Tom Hanks que mostrava a história fictícia da carreira da banda The Wonders.

3 – Greg Graffin – Milport – 2017

O Doutor do punk Greg Graffin dispensa apresentações e em seu terceiro disco solo apresenta um trabalho impecável do começo ao fim.

Para os fãs do Bad Religion, já não é novidade o mergulho no folk que Greg apresenta em sua carreira solo que tem discos lançados em intervalos de uma década.

Os experimentalismos que não cabem no Bad Religion são apresentados aqui sem receios em arranjos de violas, violões, pianos, arranjos de violinos e baterias sempre levando tudo pra cima.

Um discaço que tem pontos altos como a abertura “Backroads Of My Mind”, “Lincoln’s Funeral Train”, “Shotgun” e a belíssima “Waxwings”.

4 – Laura Jane Grace – Stay Alive – 2020

A incrível Laura Jane Grace é uma máquina de produzir discos incríveis e em pleno período de pandemia nos presenteou com um dos melhores lançamentos de 2020.

Já nos acostumamos a ouvir as músicas da vocalista com a mesma sensação de estar lendo um diário aberto, sem segredos e sempre com muita emoção colocada em cada frase.

Nesse trabalho solo, Laura abandona as guitarras e as melodias do Against Me! e, empunhando um violão, passeia de forma brilhante ao longos de 14 faixas onde quase todas são destaques.

Com certeza um disco obrigatório!

5 – Chuck Ragan – Feast or Famine – 2007

A marcante voz de Chuck Ragan ajudou a fazer do Hot Water Music um dos grandes nomes do punk e do hardcore.

A banda que tem uma vasta discografia viu seu vocalista partir para um carreira solo também, e em 2007 o disco Feast or Famine trouxe Chuck fazendo um som acústico e igualmente de qualidade.

Chuck já lançou nove discos e vale a pena conferir com atenção.

6 – Tim Armstrong – A Poets Life – 2007

Nos anos 90 o Rancid fez um barulho enorme com a onda do Punk Rock que começava a dar as caras para o grande público novamente com a enxurrada de bandas que saíram do circuito habitual e venderam milhões de discos em todo mundo como o Green Day, The Offspring e NOFX.

O punk praticado pela banda sempre trouxe influências gritantes do ska e do reggae, e aproveitando essas influências, Tim Armstrong lançou seu primeiro disco solo trabalhando esses estilos de forma mais livre.

Para os fãs de toda a discografia do Rancid, o disco de Tim não chega a ser surpreendente em termos de mudanças sonoras, principalmente se olharmos o que a banda fez em discos como Life Won’t Wait.

A Poets Life traz ótimos momentos baseados no reggae/dub/ska como “Wake Up”, “Hold On”, “Inner City Violence” e “Among The Dead”.

 

7 – Lars Frederiksen – Lars Frederiksen and The Bastards – 2001

Lars Frederiksen, que lidera o Rancid junto com Tim, também embarcou na sua experiência solo e formou o Lars Frederiksen and The Bastards, lançando o homônimo disco de estreia em um longínquo ano de 2001.

Quase como um disco do Rancid apenas com as vozes de Lars, o material teve a produção de Tim que também é coautor de todas as faixas.

O som é pesado, um punk mais cru, mas dentro daquilo que já conhecemos bem do modo Lars Frederiksen de fazer música.

Pra fechar o quesito parceria, Tim participa como guitarrista da faixa “Subterranean”.

Com os seus companheiros, Lars ainda lançou o disco Viking em 2004.