Mulher tocando guitarra
Foto Stock via Shutterstock
 

Por mais que tenhamos anos e anos de Rock and Roll para analisar, é difícil dizer se há um “solo de guitarra perfeito”.

Claro que as opiniões variam bastante e, como tudo da arte, a música é extremamente subjetiva e dificilmente haverá um consenso sobre isso em algum momento. Mas, por enquanto, a revista Total Guitar resolveu usar a ciência (e as opiniões do público) para chegar o mais perto possível disso.

Depois de conduzir uma pesquisa e eleger os 50 melhores solos de guitarra de todos os tempos, os responsáveis buscaram as semelhanças para poder criar, objetivamente, o melhor solo possível.

O primeiro passo foi definir o tempo: entre os escolhidos, estavam canções cujos solos variavam de 64 a 170bpm. Portanto, eles tomaram uma quase-média de 120bpm como o ideal.

Quanto ao tom, o essencial era ser um tom menor. Os músicos então escolheram Mi menor como o tom ideal, com alguns trechos se aventurando em Mi menor harmônico e Mi dórico. Mais ainda, eles encontraram que é necessário ter um mínimo de 2,5 oitavas de alcance e, por isso, espaçaram o solo em 3 oitavas.

O solo em si, segundo a pesquisa, tem que começar nas notas mais graves e ir evoluindo para as mais agudas. Da mesma forma, a frequência de notas começa mais leve e vai aumentando conforme a canção avança, incluindo “uma mistura de conteúdo rápido, de fritação e ganchos melódicos”.

Você pode ouvir o resultado disso (nomeado de “Franken-solo”) logo abaixo e, se quiser aprender em uma partitura/tablatura, é só acessar a matéria original por aqui.

O “solo de guitarra perfeito” segundo a ciência

 
 
Compartilhar