Felipe Neto
Foto: Divulgação
 

Nesta segunda-feira (15), Felipe Neto revelou ter sido intimado judicialmente após chamar Jair Bolsonaro de genocida.

Segundo o youtuber, foi o vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente, que abriu uma queixa. Neto revela que o autor do processo é o mesmo delegado que o indiciou por “corrupção de menores” há alguns anos.

Em seu Twitter, Felipe declarou:

A clara tentativa de silenciamento se dá pela intimidação. Eles querem que eu tenha medo, que eu tema o poder dos governantes. Já disse e repito: um governo deve temer seu povo, NUNCA o contrário. Carlos Bolsonaro, [você] não me assusta com seu autoritarismo. Não vai me calar.

Minha atribuição do termo ‘genocida’ ao Presidente se dá pela sua nítida ausência de política de saúde pública no meio da pandemia, o que contribuiu diretamente para milhares de mortes de brasileiros. Uma crítica política não pode ser silenciada jamais!

E finaliza:

[O] STJ já arquivou processo de crime contra a segurança nacional por críticas ao Presidente, quando tentaram silenciar à força Marcelo Feller, justamente por chamar Bolsonaro de genocida. [Ninguém] será silenciado à força nesse país por criticar seu pai, Carluxo.

Felipe Neto recebe apoio

Também no Twitter, nomes como Eduardo Suplicy e Tico Santa Cruz prestaram apoio ao influencer.

O termo “genocida” chegou a estar entre os assuntos mais comentados do dia por conta de mais críticas ao presidente.

 
 
Compartilhar