Rage Against the Machine
   

Em 2020, um tempo depois do início da pandemia do coronavírus, o setor do entretenimento buscou formas de se manter ativo já que shows e eventos que gerassem aglomerações foram proibidos.

Uma alternativa encontrada pelos artistas foi a realização dos shows drive-in. As apresentações aconteciam ao vivo e o espectadores ficavam em segurança dentro de seus veículos.

Porém, a moda não pegou e a maioria dos grupos não conseguiram enxergar muito sentido em um show que não contasse com o calor humano causado pelo público.

Um desses grupos foi o Rage Against The Machine, que estava com uma turnê de reunião marcada para 2020 depois de longos anos de ausência e o último show tendo acontecido em 2011.

Rage Against The Machine na Pandemia

De acordo com o Loudwire, o baixista Tim Commerford comentou que fazer uma apresentação sem a interação do público seria como se eles estivessem “se vendendo”.

Músicos foram chutados para o meio-fio, cara. É estressante para mim, só porque eu olho para Rage e penso, ‘Foda-se, nós contamos com o público’. Você vai aos shows do Rage para ver o público tanto quanto para ver a banda, e nós precisamos disso. Somos uma daquelas bandas que precisa disso.

Nunca seremos um desses vendidos que vão fazer um show drive-in ou em um local que comporta cem mil pessoas e só tem dez mil pessoas lá. Isso é besteira. Rage nunca fará isso. Não é um bom show a menos que o público também esteja agitado. Tem que ser uma experiência compartilhada.

Commerford ficou desapontado com o cancelamento da turnê pois segundo ele a banda estava planejando coisas bem especiais e que nunca haviam apresentado antes para celebrar esses shows.

A turnê programada para 2020 junto com o Run The Jewels foi remarcada para o final deste ano, confira as datas aqui.

LEIA TAMBÉM: Killing in Thy Name: Rage Against The Machine ataca racismo em mini-doc gratuito

   
 
Compartilhar