Mamonas Assassinas
   

No dia 02 de Março de 1996 uma das carreiras mais impressionantes da história da música brasileira chegou ao fim com a tragédia que atingiu os Mamonas Assassinas.

Há exatos 25 anos, todos os integrantes da banda morreram após o jatinho onde estavam se chocar contra a Serra da Cantareira, em São Paulo, perto do destino final que era Guarulhos.

Vindos de Brasília, os músicos chegariam ao Aeroporto Internacional de Guarulhos para já no dia 03 embarcar para Portugal no que seria o início de uma carreira internacional, mas isso não foi possível.

O Acidente

Naquele fatídico Sábado, Dinho, Júlio Rasec, Sérgio, Samuel e Bento estavam em um Learjet que se chocou contra a Cantareira às 23 horas e 16 minutos.

O avião já deveria ter pousado em Guarulhos mas realizou um procedimento conhecido como “arremetida”, que é quando o piloto não consegue pousar no aeroporto e decola novamente para realizar outra aproximação e chegar ao solo com segurança.

Essa manobra foi realizar por uma soma de diversos fatores que são amplamente explicados no canal Aviões e Músicas, em vídeo que pode ser visto logo abaixo.

Entre outras questões que contribuíram para o insucesso no procedimento e o acidente, houve a fadiga do piloto, o desconhecimento do copiloto em relação à aeronave, falhas de comunicação com a torre de controle e mais.

A Carreira

Para quem não viveu a época, é até difícil entender o impacto do quinteto que havia surgido justamente em Guarulhos.

Com letras engraçadas, muitos palavrões e uma alta carga do “politicamente incorreto”, os Mamonas se transformaram na banda de Rock Nacional mais celebrada da época, carregando multidões de fãs jovens e mais velhos e batendo cartão em todos os programas de TV possíveis das maiores emissoras do país.

O único disco do grupo, Mamonas Assassinas, foi lançado em 1995 e tinha hits como “Pelados em Santos”, “Vira-Vira”, “Robocop Gay” e “Sábado de Sol”.

Essa última era uma cover da banda Baba Cósmica, que tinha como baterista o produtor Rafael Ramos, responsável pela descoberta do grupo.

Na época, seu pai João Augusto Soares era o diretor artístico da gravadora EMI e recebeu a sugestão do filho para que contratasse o grupo, o que acabou fazendo. Dali em diante, tudo tornou-se gigantesco para os jovens que iniciaram a carreira como a banda Utopia.

O Legado dos Mamonas Assassinas

Mamonas Assassinas - Mamonas Assassinas

Havia pouco material inédito gravado pela banda além das canções que estão no primeiro e único disco.

Algumas demos e gravações ao vivo foram lançadas ao longo do tempo, mas o que ficou eternizado foi o conjunto disponibilizado ali, através das 14 canções.

Não à toa, mesmo sem lançamentos impactantes há mais de 25 anos, o grupo tem 700 mil ouvintes no Spotify e o interesse a respeito dele vem se renovando de geração pra geração, tanto que muita molecada está descobrindo seus sons e celebrando a obras dos caras.

Que assim seja!

LEIA TAMBÉM: Brasília Amarela, marca registrada dos Mamonas Assassinas, é restaurada e estará em filme

   
 
Compartilhar