Marilyn Manson
Foto via Wikimedia Commons
 

Não acabam as acusações de abuso contra Marilyn Manson, e dessa vez foi um ex-assistente do músico quem falou sobre o tema em um podcast da Rare Form Radio (via CoS).

Dan Cleary trabalhou diretamente com Manson entre 2014 e 2015, depois de um período como técnico de teclados na equipe de turnês do músico. Ele falou sobre ter testemunhado pessoalmente diversos abusos direcionados à atual esposa de Manson, Lindsay Usich.

Ele explicou:

Eu vi alguns abusos físicos no sentido de empurrar e jogar coisas nela e várias explosões violentas ao redor dela — tipo quebrar coisas. Vários abusos mentais e xingamentos e ameaças. Houve ocasiões em que o Manson diria a ela que ele iria matá-la e cortá-la e que eu iria enterrá-la no deserto — eu [Cleary]. Ele saía da sala e eu diria [a ela], ‘Vai ficar tudo bem. Eu não vou fazer nada disso. Vamos para um hotel.’

Cleary também falou sobre como acompanhou o comportamento de Evan Rachel Wood, primeira ex-esposa de Manson a falar sobre os abusos na relação, e viu que ela estava bastante diferente durante a turnê do músico entre 2007 e 2008. Ele explicou que seu “comportamento mudou” e até os seus “atributos físicos mudaram, ela ficou mais magra, toda a sua aura ficou mais escura”.

Ex-assistente de Marilyn Manson e abusos do músico

Apesar de estar falando sobre isso agora, Dan já tinha publicado mensagens no Twitter em Setembro de 2020 relatando o que viveu na presença de Marilyn. A thread gerou pouca atenção, mas dizia:

Ele ameaçava matá-la [Usich], cortá-la, enterrá-la, envergonhá-la perante o mundo. Fazê-la chorar & temê-lo fazia com que ele se sentisse bem. Ele a lembrava de que ela não teria um lugar para morar sem ele e zoava um membro de sua família com dificuldades de aprendizado.

Na época, o ex-assistente também não se eximiu de culpa e sabia que fazia parte de um círculo pequeno que tinha ciência dos abusos. Ele disse que contatou o empresário de Manson, mas “o empresário parecia saber de tudo isso e não pareceu se importar muito”. Cleary finalizou:

Há pessoas dizendo que eu sou cúmplice porque eu vi essas coisas acontecendo e não fiz nada e eu aceito isso. Há alguma verdade nisso.

Mais uma vez, desejamos toda a força do mundo às vítimas e pessoas que de forma geral foram afetadas pelos comportamentos de Marilyn.

Abusos de Marilyn Manson

A atriz Evan Rachel Wood terminou seu noivado com Manson em 2010 e no dia 1º de Fevereiro falou abertamente sobre seu relacionamento com o músico.

Em sua publicação original no Instagram, Evan revelou que passou por uma “lavagem cerebral” e foi “manipulada para ser submissa”. Além disso, definiu Marilyn como um homem perigoso e declarou estar ao lado “das várias vítimas que não se silenciarão mais”.

Ela ainda compartilhou textos de outras mulheres como uma fotógrafa que trabalhou com Manson e relatou que ele aplica até mesmo “táticas de tortura” para controlar as pessoas. Outra ex-noiva do cantor, Rose McGowanendossou todas as falas de Wood, mas uma terceira (Dita Von Teesedisse que não sofreu nada do tipo.

Ele negou todas as acusações e citou que seus relacionamentos íntimos sempre foram “inteiramente consensuais”. A cantora Phoebe Bridgers, por outro lado, disse ter ido na casa de Marilyn quando era adolescente e alegou que o cantor falava sobre um “quarto do estupro” em sua residência.

Após a denúncia, a gravadora Loma Vista se manifestou e anunciou o encerramento do contrato com o artista para a promoção do seu disco atual e que também não pretende realizar projetos futuros com ele, e você pode ler o comunicado aqui.

Seu empresário de 25 anos também encerrou relações, e Marilyn ainda perdeu papéis em duas séries que participava.

LEIA TAMBÉM: Marilyn Manson estaria sendo investigado por tráfico humano

 
Compartilhar