John Dolmayan do System of a Down
Foto via Wikimedia Commons
 

John Dolmayan, baterista do System of a Down, confessou estar sentindo consequências por expressar sua opinião política.

O músico afirmou que está em uma espécie de “lista negra” em Los Angeles, onde mora, e não consegue emplacar um roteiro em estúdios de cinema. Em conversa com o podcast Canceled with Rob Rosen e Desma Simon, John afirmou ser “vítima” de uma caça às bruxas.

Falando sobre a agência que cuida de seu trabalho, o baterista declarou que não tem recebido ajuda para conseguir adaptar sua história, Ascenia, aos cinemas. Ele conta (via Louder Sound):

A agência com a qual trabalho, eles são pessoas realmente boas e têm uma grande empresa com a qual se ocupam. Eu provavelmente não deveria estar falando sobre isso, mas sempre faço isso comigo mesmo. No final do dia, podemos acabar trabalhando juntos e, se não o fizermos, então não deu. Mas eu entendo a atitude deles. Eles têm que proteger seus interesses, certo?

Na mesma conversa, John Dolmayan voltou a criticar o movimento Vidas Negras Importam, dizendo que é uma organização que visa arrecadar fundos para a “agenda comunista” nos Estados Unidos e que os integrantes “não estão nem aí para os negros”.

Ele continua:

Vou lutar até a morte pelo direito de um comunista de dizer o que quiser aqui nos Estados Unidos. E eu sou completamente contra essa ideologia. Mas vou dizer uma coisa, qualquer pessoa que queira levantar a voz hoje em dia, fique atento. Estamos em uma sociedade que é hipersensível agora. E a cultura do cancelamento é uma coisa real. Isso pode realmente te ferir.

Eita.

LEIA TAMBÉM: “A vibe é positiva” – vocalista fala sobre o futuro do System Of A Down