Neil Peart, baterista do Rush
Fonte: Wikimedia Commons
 

É inquestionável que Neil Peart está entre os melhores bateristas de todos os tempos, mas entre seus grandes feitos está transformar uma canção como “Tom Sawyer” em um verdadeiro hit.

Não apenas a sonoridade Prog que permeia toda a faixa não é exatamente amigável às rádios, o instrumental técnico do Rush fica bastante evidente por lá. Aliás, muita gente subestima o quanto é difícil tocar esse grande sucesso e, em uma entrevista de 2012 (bem antes do seu falecimento), Peart conta por que é tão difícil tocar a música do jeito certo:

‘Tom Sawyer’ continua tão difícil de tocar — ainda que pareça ser um tempo devagar, a minha mão direita na maior parte do tempo está indo o mais rápido possível e cada batida é com força total, sabe. Meus pés e minha mão estão tocando com força total durante aquela música inteira.

Então só para ser capaz de executá-la com força e suavidade, e eu falei dessa dualidade anteriormente, é algo que eu trabalhei durante todos esses quarenta e… [disfarça] anos de bateria. [risos] Eu queria combinar esses elementos: primeiro eu queria a técnica, e aí você trabalha duro na técnica; depois eu queria precisão com força total, [porque] trabalho no estúdio com metrônomo precisão é o padrão de ouro. E por fim eu queria o sentimento, e aí agora eu quero essa combinação.

Então quando eu toco essas músicas agora eu sei que eu trago um sentimento melhor a essas músicas do que eu trazia antes, sabe? Eu tenho a força e o poder e a velocidade, mas muito mais controle sutil do tempo. E essa é a coisa mais recompensadora — estamos aqui ensaiando e tocando essas músicas todos os dias, tantos anos depois, e eu ainda me encontro mergulhando dentro delas dessa maneira rítmica, e as sinto de maneiras mais sutis e consequentemente mais recompensadoras.

Uma verdadeira lenda da música! Você pode ver esse relato na íntegra pelo vídeo abaixo.

Neil Peart e “Tom Sawyer”

 
Compartilhar