Marc Ford, do The Black Crowes
Foto via Wikimedia Commons
 

Você talvez não conheça o guitarrista Marc Ford, que teve seu maior momento da carreira com o The Black Crowes, mas foi por muito pouco que ele não entrou no Guns N’ Roses e teve uma ascensão meteórica à fama.

Aliás, foi uma decisão dele não fazer isso não apenas uma vez, mas duas: de acordo com o próprio Ford em uma entrevista recente ao podcast State of Amorica (via NME), ele recebeu o primeiro convite em 1991 quando Izzy Stradlin deixou o lendário grupo. O segundo veio nos anos 2000, quando Axl Rose estava “remontando” o GNR.

Ele conta:

Me convidaram para entrar naquela banda duas vezes diferentes. Uma vez quando o Axl ainda estava acabando aquele disco que estava levando a vida toda [‘Chinese Democracy’, que saiu em 2008]. Logo quando eu estava começando a fazer [o meu disco solo de 2002] ‘It’s About Time’, eu recebi o convite para entrar naquela banda.

A primeira vez, eu tinha acabado de voltar de uma espécie de entrada ‘oficialmente não oficial’, ou qualquer coisa assim, no The Black Crowes. Foi um fim de semana em Atlanta e quando eu cheguei em casa, naquela segunda-feira de manhã, o Slash me ligou e ofereceu [a vaga no Guns N’ Roses]. Ele disse que o Izzy estava saindo, e [perguntou] se eu queria a vaga.

Eu contei que tinha acabado de entrar no The Black Crowes. [O Slash] foi muito tranquilo e disse, ‘É um trabalho legal pra você. Mandou bem.’

De fato, Marc Ford entrou no Black Crowes em 1991 e esteve em três discos do grupo de Rock — The Southern Harmony and Musical Companion, Amorica Three Snakes and One Charm.

Marc Ford e o Guns N’ Roses

Curiosamente, em 1992, Marc também tocou no disco de estreia do projeto solo de Izzy Stradlin, o Izzy Stradlin and the Ju Ju Hounds. Sua participação não foi creditada mas acontece na faixa “Somebody Knockin'”, que abre o álbum.

Abaixo, você pode conferir o podcast em questão na íntegra.