Maracatech
Crédito: divulgação
 

O trio Maracatech lançou recentemente nas plataformas digitais o EP de estreia Flor do Mangue. O compacto apresenta três canções e a faixa-título já ganhou um clipe divulgado no YouTube.

O vídeo foi dirigido por Pablo Gomide e conta com a participação da modelo Hadassa Batista, que interpreta a própria flor do mangue.

O material também traz animações de Yara Santos, remetendo a estéticas mais antigas e coloridas, como a MTV brasileira dos anos 1990.

“Este clipe é um presente que fizemos para os nossos seguidores no YouTube, que tem crescido numa toada constante. A gente caprichou nesse vídeo e esperamos que a galera dance junto em casa, é uma música feita pra isso,” comenta o baixista Guidola.

A formação da banda é completada por João Feijão (voz) e Fel C (beats, synths e backing vocal).

O grupo, que passeia entre o rock e o reggae com referências em Nação Zumbi e Mundo Livre S.A., nasceu a partir de um projeto de TCC do curso de Produção Fonográfica da faculdade Belas Artes (São Paulo/SP).

Tomás Cunha Ferreira

Tomás Cunha Ferreira
foto: Daryan Dornelles

Criado no Brasil, o multiartista português Tomás Cunha Ferreira disponibilizou o álbum Vai Começar.

O disco apresenta 13 faixas, sendo algumas escritas em inglês e outras inspiradas no Rio de Janeiro, como “Joá” e “Humaitá Intenso”.

“O disco liga tudo: pintura, música, palavra e eu cantando. Decidimos ir para o estúdio de um dia para o outro, sem planejamento. O preparo foi justamente a nossa história, a sintonia. Gravamos várias no primeiro take, a banda toda tocando junto,” conta Tomás, que voltou para Portugal aos 13 anos.

O trabalho de estúdio contou com a participação de músicos brasileiros como Domenico Lancellotti, Alberto Continentino, Moreno Veloso, Quito Ribeiro e Pedro Sá.

Giovanna Moraes

Giovanna Moraes
foto: divulgação

A cantora e compositora Giovanna Moraes liberou nas plataformas de streaming o clipe feito para a música “Futuros do Passado”.

O vídeo, gravado em plena quarentena seguindo as normas sanitárias, foi roteirizado, dirigido e editado pela própria artista, que busca estimular o espectador a enxergar o mundo com novos olhos.

Paralelamente ao lançamento e em colaboração com o artista gráfico Lucas Trentin, Giovanna desenvolveu um filtro de Instagram inspirado na morte, figura do tarô que aparece em alguns momentos do clipe.

“É um convite para sair de ‘bolhas’, ouvir o mundo – e a si – com mais atenção – para não buscar apenas futuros que pertencem ao passado,” começa.

“Temos silêncio e aí a câmera revela minha personagem morta-viva, antes de voltar ao intenso estímulo visual das camadas criadas na edição,” completa a cantora, que incluiu a faixa no disco Direto da Gringa, lançado em Junho deste ano.

Joe Sujera

Joe Sujera
foto: reprodução

O rapper Joe Sujera se uniu ao produtor e guitarrista Thiago Ticana para lançar uma nova versão da música “Veneno”, que chega acompanhada de um lyric video.

Originalmente, a canção foi lançada em 2014, inspirada por ideias que, naquela época, eram condizentes com o pensamento do artista. Hoje, com outra cabeça, Joe resolveu reformular a composição.

“Eu tinha uma opinião consciente sobre a letra, mas de lá pra cá muita coisa mudou. Eu mudei, minha cabeça, minhas ideias, opiniões e posturas. Ou seja, caminhei como ser humano e me distanciei daquele Joe que escreveu ‘Veneno’ anos atrás,” explica o autor, que reescreveu a letra junto com Mayara Lacerda.

“Tenho um carinho imenso por essa obra e não queria deixá-la em uma época de machismo, intolerância e estereótipos. Foi um desafio reescrever a música, mas a vida é isso. Aprender e se reorganizar. ‘Veneno’ merecia essa segunda chance,” conta Joe, que, recentemente, também ao lado de Ticana, liberou o álbum Órbita.

O disco apresenta dez canções e a faixa-título ganhou clipe divulgado nas plataformas de streaming.

Saulo Mendes

Saulo Mendes
foto: divulgação

O cantor e compositor mineiro Saulo Mendes estreou na carreira com a música “Evergreen”.

A letra da canção, que transita entre o indie e o folk, aborda temas como a perenidade do amor, o tempo e a eternidade.

O single, coproduzido por Jay Horsth, teve as participações de Gabriel Bruce (bateria), Gui Barros (cello), Matheus Fleming (guitarra) e Bruno Medeiros (piano).