James Taylor, John Lennon e Mark David Chapman
Fotos via Wikimedia Commons
 

Há exatos 40 anos, o lendário John Lennon era vítima de um assassinato cruel por parte de Mark David Chapman, que viria a se tornar um dos criminosos mais notáveis de todos os tempos pelo ato.

Até hoje existem muitas coisas que não sabemos sobre toda essa situação e quem revelou uma delas recentemente foi James Taylor, que conversou recentemente com o Telegraph e, conforme conta a Monet, deu um relato sobre ter se encontrado com o assassino de Lennon um dia antes do crime.

Isso teria acontecido já na cidade de Nova York, a cerca de 25 minutos a pé do famigerado edifício Dakota, onde eventualmente John recebeu os tiros e faleceu. Dono de hits como “Fire and Rain” e “Carolina in My Mind”, Taylor avisou que Chapman tinha olhos “dilatados como um louco” que ficavam “mirando para todos os lugares” enquanto ele aparentava estar “brilhando de suor”.

O cantor afirmou ainda que ele “parecia drogado ou em algum tipo de crise maníaca”, e contou:

Eu sabia que precisava ficar longe dele. […] Ele estava falando a mil por hora sobre algo que iria mostrar a John Lennon. Ele era apenas alguém que me conhecia e que eu não conhecia; alguém que tinha uma agenda com a qual eu sabia que não poderia lidar. Eu simplesmente sabia que precisava ficar longe dele.

É, claramente James Taylor estava certo sobre isso, e infelizmente Lennon não teve a mesma sorte. Você pode ver o papo dele com o Telegraph na íntegra (em inglês) por aqui.

40 Anos sem John Lennon

Neste aniversário de um dos dias mais tristes da história da música, fizemos um especial relembrando toda essa história e contando um pouco mais sobre o episódio extremamente marcante. Leia por aqui.

LEIA TAMBÉM: “Triste dia”: Paul McCartney lembra morte de John Lennon com foto de Linda McCartney

 
Compartilhar