Krist Novoselic
Foto via Wikimedia Commons
 

Krist Novoselic, lendário baixista do Nirvana, concedeu uma entrevista recentemente à SPIN e por lá falou bastante sobre o passado com a banda Grunge.

Um dos trechos mais legais do papo foi quando ele lembrou da ascensão à fama, citando especificamente um momento logo antes da explosão de sucesso que representava muito bem como o Nirvana era naquela época:

A gente se divertiu bastante [enquanto ganhamos fama]. Mas a gente na verdade nem sabia o que estava acontecendo. Estávamos fazendo essas turnês nesse momento em lugares relativamente pequenos. Ouvimos que estávamos com uma rotação alta na MTV e esses caras de gravadoras apareciam e era tipo, ‘Ah, ok’. Só trabalhando duro e tentando tocar bem toda noite.

Nós tivemos um show uma noite antes e o Kurt [Cobain] destruiu sua guitarra, ou só não tinha uma guitarra, provavelmente a destruiu, teve problemas com ela ou ela apagou. Como tínhamos o Jason Everman como outro guitarrista, o Kurt seria o nosso frontman para aquele show. Ele foi lá e ficou pulando de um lado pro outro, o frontman só com um microfone. Então ele pula em mim e eu o pego e o levanto pelos tornozelos. [risos] E começo a balançá-lo pela beirada do palco. E aí começa a cair um monte de troco do seu bolso. Tem tipo, moedas de 25 centavos, 10 centavos, 5 centavos, 1 centavo… e agora que eu penso sobre isso, era provavelmente todo o dinheiro que ele tinha no mundo na época.

Krist Novoselic e a “missão” do Nirvana

É claro que assim como o resto do mundo ou provavelmente até mais, Krist sente muita falta de Kurt Cobain e de tudo que eles conquistaram juntos. Mas, em outro trecho do mesmo papo, ele avisa que não sabe como seria se o vocalista e guitarrista ainda estivesse vivo, e deixa bem claro que a “missão” do Nirvana foi cumprida:

Você só não sabe [como seria se Kurt estivesse vivo]. Dave [Grohl] está fazendo Rock pesado, eu estou fazendo esse Rock country, mais tradicional dos EUA. Isso realmente não importa — a tragédia é que Kurt morreu tão jovem e era uma pessoa queridíssima e sua falta é muito sentida. Talvez [na época] eu estivesse sendo bobo só por ser bobo. Eu não posso falar pelo Dave ou Kurt, mas a nossa missão era nos divertir o máximo possível e nossa afirmação foi feita nos discos.

É, sem dúvidas isso foi cumprido! E mais ainda: o Nirvana também divertiu (e ainda diverte) muita gente.