plebe-rude-afonso-nigro
Foto por Adriano Pasqua

A banda brasiliense Plebe Rude, uma das pioneiras do rock nacional dos anos 80, lançou uma versão inesperada para a música “P da Vida“, lançada originalmente em 1987 pelo grupo Dominó. A novidade chegou acompanhada por um videoclipe e traz a participação especial de Afonso Nigro, ex-integrante da boy band brasileira.

A letra é uma versão do compositor Edgard Poças para “Tutta La Vita”, do italiano Lucio Dalla. A faixa em português chamou a atenção dos integrantes da Plebe Rude, que afirmam já gostarem da música desde a década de 80. O grupo, que sempre prezou por temáticas atuais, reconheceu na letra, forte e impactante, a possibilidade de conciliar apelo comercial e conteúdo.

Batemos um papo com o baixista André X, que nos contou que transformar a canção um rock de protesto não foi um grande desafio. Segundo o músico, o vocalista Philippe Seabraaplicou a mágica dele e, o que era um pop safado, virou um rock decente“.

A Plebe nunca gravaria uma letra sem conteúdo, então, claro, a música já veio pronta para o século XXI. […] A letra é na cara, não tem o que interpretar. E está muito relevante. O assassinato brutal e movido a preconceito no Carrefour, coloca um holofote na necessidade de desconstruir o racismo estrutural de nossa sociedade. As queimadas de nosso tesouro verde. O descaso à pandemia. A cultura de ‘open bar’ e ‘closed minds’. A polarização que evita debates e nos joga numa decisão binária. A tentativa de esconder todos que são diferentes do dito normal. A aproximação perigosa do estado e a religião, tornando o estado laico uma farsa. Se tudo isso não deixa você p da vida, a Plebe não é sua trilha.

As duas bandas surgiram nos anos 80, com vertentes bem distintas e alcançaram reconhecimento em seus estilos. André conta que os caminhos dos dois grupos já havia se cruzado no passado, mas o que levou à parceria foi algo inusitado: a semelhança física entre Philippe Seabra e Afonso Nigro.

Acho que a gente fez um Raul Gil juntos. Um competindo com o outro. Perdemos. Também cruzamos destinos no imaginário das pessoas, que confundiam, à época, o Philippe com o Afonso e vice-versa. Inclusive, esse foi o pano de fundo para essa gravação, provar que não são a mesma pessoa.

Décadas depois, Plebe Rude e Afonso Nigro se reencontraram graças a um amigo em comum e a empatia foi imediata. Abaixo você pode conferir o dueto improvável, que deve pegar muita gente de surpresa, já que a música é atual, política e remete ao momento pelo qual estamos passando.

Uma outra versão…

Com o peso das guitarras distorcidas no lugar dos teclados, e a alternância dos vocais entre Philippe e Afonso “P da Vida” faz parte do lançamento homônimo que conta ainda com um lado B, a inédita “O Gigante Adormece”. A faixa foi composta por Seabra, com a intenção de adiciona-la a versão da Plebe Rude de “P da Vida”, no entanto, devido à dificuldade em obter a autorização do espólio do autor original na Itália, virou uma segunda música.

Segundo André X, adicionar versos a um hit pop tão presente no inconsciente coletivo não foi difícil para a banda, bastou “botar para fora a indignação com tudo que está acontecendo”. Phillippe Seabra conta que a faixa inédita é sobre a “passividade do brasileiro, que não consegue manter o foco no meio do ruído das redes sociais e rapidamente perde qualquer noção de indignação”.

O EP P da Vida foi produzido por Philippe Seabra no QG da Plebe Rude, o estúdio Daybreak em Brasília, e é o primeiro lançamento da Plebe Rude após o álbum Evolução, Vol.1, de 2019. A pandemia atrapalhou os planos da banda em excursionar para promover o disco, e, como nos conta o baixista, os tempos não estão sendo fáceis para a cena underground.

A pandemia interrompeu tudo o que tínhamos planejado para Evolução. Lembro que era para ser um musical a ser interpretado num palco por todo o Brasil, com a Plebe oferecendo a trilha sonora. Já era para termos lançado o Vol. 2, com a continuativa da narrativa século XX e adiante. Parou tudo. Nossa equipe está desmobilizada e sem trabalho. Arte parou. Só quem tem nome consegue patrocínio e acesso às plataformas para fazer lives. O underground está perigosamente hibernando sem ação. Tomara conseguirmos retornar logo, num cenário seguro.

Assista abaixo ao clipe de “O Gigante Adormece”.